STECK economiza 75% de energia ao substituir e automatizar sistemas de iluminação

nov, 2019

Empresa troca lâmpadas de vapor metálico por LED da fábrica em São Paulo

Fábrica da STECK em São Paulo-SP

Líder no fornecimento de materiais elétricos, a STECK Indústria Elétrica obteve uma economia de energia de 75% ao substituir lâmpadas de vapor metálico por modelos LED.

A empresa renovou o sistema de iluminação da fábrica em São Paulo-SP. Fundada em 1975, a STECK possui ainda uma fábrica em Manaus-AM e unidades de negócios na Argentina e no México.

A planta industrial conta com sensores que ajustam a potência das lâmpadas de acordo com a iluminação natural, reduzindo a capacidade das lâmpadas para até 20% quando há muita incidência de luz natural.

O sistema é controlado sem a interface humana, bastando programar o horário dos ajustes ou o ‘set-point’ desejado de intensidade de iluminação”, explica Luciano Fernandes, gerente industrial e da qualidade da STECK. “Além da redução no consumo, destaca-se uma melhora significativa na iluminância das áreas, o que contribui para um maior conforto visual e precisão nas tarefas”, completa.

As lâmpadas LED consomem em média 75% a menos do que as lâmpadas de vapor metálico”, afirma Lucas Machado, engenheiro eletricista e responsável técnico pelo projeto. “Apesar de um investimento inicial maior do que em outros modelos, o LED proporciona uma economia significativa não só no ambiente industrial, mas também no residencial quando comparado com os modelos fluorescentes e incandescentes”.

De modo a firmar o compromisso com a utilização de fontes limpas e renováveis de energia, a STECK está em vias de implementar duas medidas que podem diminuir ainda mais o impacto da conta de luz.

A primeira delas visa a entrada da unidade fabril no mercado livre de energia, ou seja, vai buscar alternativas para comprar energia em relação ao fornecimento da concessionária local. Neste modelo de negócio, o consumidor negocia o preço pelo consumo diretamente com agentes geradores e comercializadores.

Estimamos com esse movimento uma redução de 15% a 20% no consumo total de energia da planta”, projeta Fernandes.

Beneficiado pelos ótimos índices de incidência solar do País, a empresa também estuda investir em um sistema de captação de energia fotovoltaica, aproveitando-se ainda mais da fonte de energia solar.

Além de limpa e fartamente disponível, a fonte solar pode gerar um excedente de geração que pode ser negociado com a rede de distribuição, resultando em descontos ainda maiores”, completa Machado.

Comentários

Deixe uma mensagem