Preço médio do PLD recua no Norte e sobe nos outros Submercados

mar, 2020

Submercado Norte apresentou queda de 31%; já no Sudeste/Centro-Oeste, aumento de 48%; no Nordeste, também acréscimo de 44%; no Sul, alta no preço foi de 137%.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) informa que o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), no cálculo para o período de 7 a 13 de março, recuou no submercado Norte e aumentou nas demais regiões.

O preço médio do submercado Sudeste/Centro-Oeste subiu 48%, fixado em R$ 86,62 por megawatt-hora (MWh). Para o Sul, o preço foi elevado a R$ 158,20/MWh, enquanto o preço no Nordeste teve alta de 44%, fixado em R$ 84,67/MWh. O principal fator responsável pelos aumentos foi a piora em relação à expectativa de afluências para as próximas semanas. Já o preço do Norte caiu 31%, fixado no piso de R$39,68/MWh.

Os limites de intercâmbio de energia para os patamares de carga pesada e média foram atingidos para todos os submercados, mantendo o preço desacoplado.

Para a próxima semana, a expectativa é que a carga prevista do SIN recue cerca de 1.273 megawatts (MW) médios. A queda foi verificada no Sudeste (- 869 MWmédios) e no Sul (- 488 MWmédios). Por outro lado, há aumento no Nordeste (+ 36 MWmédios) e no Norte (+ 48 MWmédios).

Para março, a expectativa é de que as afluências para o Sistema fiquem em 100% da Média de Longo Termo (MLT), porém abaixo da média para os submercados Sul e Norte. As afluências dos submercados em relação à MLT foram de 111% no Sudeste, 38% no Sul, 101% no Nordeste e 88% no Norte.

Os níveis dos reservatórios do SIN ficaram cerca de 1.812 MWmédios acima do esperado. O aumento foi verificado no Sudeste (+ 2.531 MWmédios), no Nordeste (+ 52 MWmédios) e no Norte (+483 MWmédios). No submercado Sul os níveis estão mais baixos (-358 MWmédios).

O fator de ajuste do MRE estimado para o mês de fevereiro de 2020 passou de 132,6% para 128,5%.

Como a região Sul enfrenta baixas nos reservatórios, por conta de chuvas em níveis muito inferiores às médias históricas, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) decidiu tomar algumas medidas, como o acionamento de termelétricas fora da ordem de mérito. Com isso, a previsão dos Encargos de Serviços do Sistema (ESS) para março de 2020 ficou em R$ 234 milhões, sendo cerca de R$ 231 milhões referentes à segurança energética e R$ 3 milhões de Unit Commitment.

A análise detalhada do comportamento do PLD pode ser encontrada no boletim InfoPLD, divulgado semanalmente no site da CCEE.

 

Entenda o PLD

O PLD é o preço de referência do mercado de curto prazo, utilizado para precificar o que foi gerado e o que foi consumido de energia elétrica por todos os participantes do mercado (que operam no âmbito da CCEE).

A Câmara de Comercialização apura mensalmente o total de energia consumido pelos consumidores que compram no Ambiente de Comercialização Livre – ACL e pelos cativos do Ambiente de Contratação Regulado – ACR. Os contratos negociados no mercado livre, fechados entre o comprador e o vendedor (pelos geradores, comercializadores e consumidores livres e especiais) e pagos bilateralmente, também são registrados na CCEE. Por sua vez, no mercado cativo os contratos são fechados em leilões regulados pelo governo, informações também registradas pela CCEE. Caso haja mais consumo ou geração do que os montantes contratuais registrados, essas diferenças são liquidadas mensalmente no mercado spot (à vista ou de curto prazo, como também é conhecido). Todos os devedores (subcontratados) pagam em igual proporção para os credores (sobre contratados).

O valor utilizado para este acerto é o Preço da Liquidação das Diferenças – PLD que é calculado semanalmente pela CCEE e, com base na Resolução Normativa da ANEEL nº 858/19, de 7 de outubro de 2019 – tem valor teto de R$ 556,58/MWh e piso de R$ 35,97/MWh, vigentes a partir da primeira semana operacional de janeiro/2020.

Comentários

Deixe uma mensagem