O Relatório do Impacto no sistema elétrico – RISE

abr, 2020

No item 11 do módulo 8 do Prodist (estudos específicos de qualidade da energia elétrica para acesso aos sistemas de distribuição), encontra-se a referência para as verificações necessárias ao acesso de consumidores às redes das distribuidoras. São então elencados os itens necessários, conforme abaixo reproduzido: “Os estudos específicos de qualidade da energia elétrica deverão avaliar o potencial impacto da conexão e operação do acessante”.

  • É obrigatória  a  realização  dos   estudos no caso de acessante potencialmente
  • A distribuidora  deve   definir   os   tipos  de instalações elétricas potencialmente perturbadoras.
  • As conclusões dos estudos e/ou recomendações deverão constar no parecer de
  • Caso se verifique nos estudos específicos que há problema de qualidade da energia elétrica, a instalação dos equipamentos de correção ou outras adequações necessárias deverão ser providenciadas pelo acessante e/ou
  • Requisitos e procedimentos para fins de acesso ao sistema de distribuição deverão observar o Módulo 3 do ”

Informação interessante é que o chamado “RISE” surgiu antes desta fase de estudos de acesso aos sistemas de geração distribuída e está vinculado à premissa de garantir a qualidade da energia conforme as resoluções normativas que as distribuidoras têm que atender como os próprios módulos 8, 3 e demais. A questão se concentra quando  os   consumidores   alimentam em suas plantas cargas potencialmente perturbadoras à rede da distribuidora e por consequência aos outros consumidores ligados naturalmente na mesma rede elétrica. Conforme o documento especifico da CPFL sobre o tema, “uma carga potencialmente perturbadora seria aquela instalada em   unidade   consumidora que utiliza processo interno cujas características intrínsecas potencialmente afetem de alguma maneira as grandezas elétricas relativas ao fornecimento da energia, normalmente caracterizadas pela frequência, tensão e corrente alternada em seus valores padronizados de amplitude  e intensidade, com as respectivas variabilidades permitidas, quer seja no ponto de conexão (também denominado ponto de acoplamento comum), ou na própria rede da CPFL, e susceptível de provocar a não conformidade do produto no fornecimento de energia elétrica às demais unidades consumidoras da CPFL”.

De uma forma geral, são cargas potencialmente perturbadoras aquelas acionadas por inversores de frequência, retificadores,  fornos  a  arco,  sistemas de solda a ponto, prensas, cargas de transporte vertical e horizontal, e outras tantas aplicadas cada vez em maior proporção em nossas plantas.

No módulo 3 do Prodist, referenciado pelo módulo 8, encontram-se outras informações complementares. O estudo de acesso de consumidores deve ser particularizado  na  tensão  de  operação e fornecimento e principalmente as particularidades da distribuidora a ser conectada pelo consumidor.

Estudo de acesso do consumidor

O consumidor deverá então desenvolver um estudo de comportamento do  ponto de conexão considerando as condições informadas pela distribuidora de potência de curto circuito e  distorção  harmônica (o consumidor poderá também fazer esta medição) para certificação dos resultados e melhorar a precisão do estudo. Este estudo está vinculado à informação por parte da distribuidora que considera o montante da carga a ser conectada nas condições informadas e a capacidade do sistema. Normalmente, são estudados os comportamentos das variáveis: tensão em regime permanente, flutuação e desequilibro de tensão, distorção harmônica de tensão, variação de tensão de curta duração e fator de potência. Algumas questões específicas devem ser verificadas junto à distribuidora como, por exemplo, as questões relacionadas às flutuações e desequilíbrio de formulação complexa e que pode não representar a realidade da operação. Neste caso pode-se ajustar um procedimento em que o consumidor se obrigue a implantar ações corretivas em caso de alguma variável registrada apresentar valores acima dos regulados.

Exemplo:

O exemplo ora apresentado considera uma  instalação industrial,   conectada em 11,9 kV que operava com dois transformadores de 1000 kVA e que foi ampliada,  passando  a  incorporar outros 2  transformadores  de  1500  kVA   com  a  instalação  de  cargas  não  lineares  e que podem impactar nas condições de operação do ponto de conexão (PAC). A metodologia considerou:

  • Medições de qualidade de energia e o comportamento das variáveis elétricas no ponto mais próximo ao da conexão com a A Figura 1 indica análise de algumas das variáveis que foram efetuadas.
  • Simulações efetuadas considerando os resultados das medições efetuadas em regime permanente de tensão, corrente, potências, harmônicas de tensão e de corrente, flutuações, desequilíbrios e outros indicadores de qualidade de energia e a influência da nova carga a ser instalada na A Figura 2 indica o resultado de uma das simulações efetuadas com os resultados onde foi proposta a instalação de compensadores estáticos com filtros de harmônicas com a função de  reduzir as distorções de tensão, compensar as VTCDs, em particular, os afundamentos de tensão gerados pela carga, regular a tensão em regime permanente e adequar o fator de potência. A simulação considera a modelagem do sistema da distribuidora, da planta, das cargas existentes e a serem inseridas.

Comparação dos resultados  esperados com as referências normalizadas: notam-se que  os  valores  simulados   indicados nas caixas junto aos barramentos estão adequados ao atendimento as prescrições do modulo 8 com as medidas de correção recomendadas.

Ao final do estudo, foram apresentadas as conclusões gerais aplicáveis que apresentaram a metodologia e recomendações gerais.

Comentários

Deixe uma mensagem