O mito da segurança proporcionada somente pelos equipamentos “Ex” certificados Parte 2/2

maio, 2018

Sob o ponto de vista de segurança industrial pode ser verificado que de pouco adianta os equipamentos elétricos “Ex” serem certificados por Organismos de Certificação acreditados, se os mesmos não são devidamente especificados, instalados, inspecionados, mantidos ou reparados, ao longo do ciclo total de vida em que permanecem instalados em locais de elevados riscos de explosão, contendo atmosferas explosivas de gases inflamáveis ou de poeiras combustíveis.

O que pode ser verificado, na prática, é que a falta de segurança das instalações “Ex” é provocada, em diversos casos, por falha de especificação dos equipamentos “Ex” (tipos de proteção, grupos, classes de temperatura ou EPL), por falhas de projeto, falhas de montagem, falhas de inspeção, falhas de manutenção ou por falhas de serviços de reparo ou recuperação dos equipamentos “Ex”.

Tais falhas podem ser atribuídas, na maioria dos casos, à falta de qualificações e de competências das empresas de prestação de serviços destes tipos de atividades para áreas classificadas, bem como a falta de treinamentos, qualificações, competências e certificações das pessoas que executam, supervisionam ou aprovam as atividades de classificação de áreas, projeto, montagem, inspeção, manutenção, reparos, recuperação e auditorias de gestão “Ex”.

De forma frequente, as empresas de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de equipamentos e instalações “Ex” apresentam deficiências de gestão, de procedimentos de trabalho e de qualificação do seu pessoal de execução e de supervisão, os quais não possuem as devidas experiências, conhecimentos e habilidades, que os tornem competentes para desempenharem com a necessária eficiência e segurança, as atividades “Ex” para as quais são solicitados.

Muitos dos serviços realizados nessa área não atendem aos requisitos normativos indicados nas respectivas partes das normas técnicas brasileiras da série ABNT NBR IEC 60079 – Atmosferas explosivas. Pode ser verificado ainda, com base na qualidade dos serviços que são realizados, que a mão de obra de profissionais envolvendo projetistas, montadores, instaladores e inspetores é carente com relação ao acesso a cursos de formação e qualificação e a treinamentos de reciclagem envolvendo as atividades relacionadas com as instalações em áreas classificadas.

Tendo como base os atuais níveis de não conformidades que são encontrados durante as inspeções e auditorias que são realizadas nas instalações em atmosferas explosivas, pode ser entendido que deveria ter iniciado, desde a década de 1970, no Brasil e em diversos outros países do mundo, um processo de certificação das competências das pessoas que trabalham em áreas classificadas e das empresas que prestam serviços de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de equipamentos e instalações em atmosferas explosivas, e não somente a certificação dos equipamentos elétricos que são instalados nestas áreas de risco de explosões.

Sob o ponto de vista de segurança, o que pode ser verificado é que, caso isto tivesse sido feito, certamente hoje seria possível contar com uma força de trabalho mais bem treinada, preparada, qualificada e certificada para realizar com mais competência e consciência, à luz das normas técnicas existentes, as atividades das quais depende a segurança das instalações em atmosferas explosivas.

As deficiências e não conformidades que são introduzidas durante a realização das atividades de instalação, manutenção ou reparos, fazem com que os equipamentos elétricos e mecânicos “Ex” percam as suas características originais de proteção contra a ignição de atmosferas explosivas que podem estar presentes em seus locais de instalação, fazendo com que, mesmo com certificação “Ex”, possam representar uma fonte de ignição, dando origens a explosões. Estas deficiências são, na maioria das vezes, decorrentes de falta de treinamentos, conhecimentos, experiências, habilidades, qualificações das pessoas responsáveis e dos executantes destes tipos de serviços “Ex”.

É apresentado a seguir um exemplo de uma instalação de equipamento elétrico “Ex” devidamente certificado por Organismo de Certificação acreditado, com não conformidades de montagem, de manutenção e de inspeção.

Coluna-ex

A abordagem de certificação com base no “ciclo total de vida” das instalações “Ex” reconhece o fato de que somente a “tradicional” certificação de equipamentos elétricos e mecânicos “Ex” não é suficiente para garantir a segurança das instalações em atmosferas explosivas, das pessoas que nelas trabalham ou do meio ambiente. As explosões que são verificadas nestas áreas de risco de diversas instalações industriais, com resultados catastróficos, resultam em grandes perdas de vidas humanas, em destruição do patrimônio e em grandes desastres ambientais.

Os equipamentos elétricos e mecânicos “Ex” necessitam estar seguros durante todo o tempo em que permanecem instalados em áreas classificadas, ao longo de décadas, e não somente quando estes equipamentos saem das fábricas.

Para que estes níveis de segurança das instalações “Ex” possam ser mantidos nos elevados níveis requeridos, existe a necessidade de uma nova postura com relação a este problema, com a adoção de um ponto de vista de certificação que não fique limitado somente à certificação dos equipamentos elétricos “Ex”, mas também a certificação prioritária das competências pessoais dos profissionais que executam atividades de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos em atmosferas explosivas, bem como da certificação prioritária das empresas de prestação de tais serviços “Ex” em áreas classificadas, tendo como base as normas brasileiras.

A abordagem de segurança para sistemas de certificação para o ciclo total de vida das instalações “Ex” não é uma necessidade exclusiva do Brasil, sendo uma preocupação da comunidade técnica internacional. Esforços envolvendo a participação de dezenas de países mundo, coordenados pela IEC, resultaram na criação do IECEx, em 07/05/1996, com foco na utilização das normas internacionais da Série IEC 60079 para a elaboração de sistemas internacionais de avaliação da conformidade da IEC para a área “Ex”. O Brasil participa das reuniões do sistema IECEx desde 2002 e é um dos 33 países participante desde 2009.

Existem no Brasil Organismos de Certificação que são acreditados nacionalmente pelo Inmetro e que também foram avaliados e reconhecidos internacionalmente no IECEx em 2011 (no sistema de certificação de equipamentos “Ex” – IECEx 02), em 2016 (no sistema de certificação de competências pessoais “Ex” – IECEx 05 e de equipamentos “Ex” – IECEx 02) e em 2017 (no sistema de certificação de empresas de prestação de serviços “Ex” – IECEx 03). Desta forma estão disponíveis no Brasil a possibilidade de obtenção de certificação internacional de competências pessoais, empresas de prestação de serviços e de equipamentos “Ex”

Encontram-se disponíveis no website do IECEx, para acesso público, os documentos operacionais dos sistemas de certificação em empresas de prestação de serviços “Ex” e de competências pessoais “Ex”, em português do Brasil, fazendo referências às normas técnicas brasileiras da série ABNT NBR IEC 60079.

Fazendo-se uma analogia com uma corrente, cuja resistência depende do seu elo mais fraco, a segurança das instalações em atmosferas explosivas pode ser entendida como sendo o resultado de diversos “elos”, os quais necessitam estar fortes para evitar a existência de uma fonte de ignição que possa provocar uma explosão.

Como elos desta corrente podem ser citadas as atividades de classificação de áreas, especificação dos equipamentos “Ex”, montagem, inspeção, manutenção, reparos, recuperação, auditorias e gestão das instalações e dos equipamentos elétricos, de instrumentação, de automação e de telecomunicações e mecânicos “Ex”.

Como pode ser entendido, o “elo” representado pelos equipamentos “Ex”, no qual estão incluídos os fabricantes, os laboratórios de ensaios e os organismos de certificação, representa somente um dos elos da corrente de segurança das instalações “Ex”. Cada um destes “elos” da “corrente de segurança Ex” somente podem ser considerados “fortes”, caso as respectivas atividades forem executadas por pessoas ou empresas de prestação de serviços devidamente competentes ou certificadas, evidenciando o conhecimento e a aplicação dos requisitos normativos indicados nas normas técnicas brasileiras das séries ABNT NBR IEC 60079 e ABNT NBR ISO/IEC 80079.

Somente desta forma os usuários podem possuir uma confiança de que as instalações “Ex” estão seguras, no caso de um vazamento de substâncias inflamáveis entrar em contato com equipamentos “Ex” elétricos, eletrônicos ou mecânicos, sem a ocorrência de uma explosão


Referências bibliográficas

 ABNT NBR IEC 60079-10-1: Atmosferas explosivas – Parte 10-1: Classificação de áreas – Atmosferas explosivas de gás

ABNT NBR IEC 60079-10-2: Atmosferas explosivas – Parte 10-2: Classificação de áreas – Atmosferas de poeiras explosivas

ABNT NBR IEC 60079-14: Atmosferas explosivas – Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas

ABNT NBR IEC 60079-17: Atmosferas explosivas – Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas

ABNT NBR IEC 60079-19: Atmosferas explosivas – Parte 19: Reparo, revisão e recuperação de equipamentos

ABNT NBR IEC 61892-7: Unidades marítimas fixas e móveis – Instalações elétricas – Parte 7: Áreas classificadas

IECEx – Sistemas de avaliação da conformidade “Ex” da IEC – Documentos Operacionais

Nações Unidas – Marco Regulatório Comum para equipamentos utilizados em ambientes de atmosferas explosivas

Bulgarelli

13/03/2018

Comentários

Deixe uma mensagem

%d blogueiros gostam disto: