Inovação e tecnologia em fabricação de torres eólicas

mar, 2018

O cenário energético brasileiro se mostra cada vez mais competitivo, sobretudo, quando se trata da geração de energia elétrica solar fotovoltaica e eólica.  Em amplo crescimento, essas fontes têm baixo custo de implantação e baixo impacto ambiental, com emissão mínima de gases do efeito estufa. A cada dia a certeza de que essas são as fontes de energia do futuro cresce e, para que as renováveis continuem expandindo sua participação na matriz, é necessário investimento em soluções inovadoras e também em novas tecnologias.

De olho no crescimento do setor, é preciso se destacar no mercado, entregando inovação, tecnologia e otimizando os investimentos. A fabricação das torres eólicas dentro do canteiro de obras de projetos específicos, por exemplo, é uma estratégia que se mostra eficiente pelo fato de reduzir o tempo de produção e otimizar os custos da execução da obra civil.

Mas essa não é uma tarefa fácil. Para a ação ser realizada com sucesso é fundamental ter um planejamento detalhado. Afinal, dentre os componentes transportados para o local da obra estão os guindastes internos (elefantes) e os moldes para fabricação dos pré-moldados que formam as torres de concreto – cada uma tem 300 toneladas e é formada por 6 dovelas de 20 metros cada, totalizando 120 metros por torre –, sendo necessário ter uma frota de transportes pesados envolvidos, bem como um período de execução definido.

Para exemplificar, usamos grande parte da estrutura de uma fábrica de torres previamente instalada em Santa Vitória do Palmar, no Rio Grande do Sul, para realizar o transporte para um novo empreendimento em Lagoa do Barro, no Piauí. Foi realizada uma operação logística complexa que levou mais de 50 dias e contou com 300 carretas. O árduo trabalho vale a pena, pois com a fabricação local, retiramos estruturas imensas das malhas ferroviárias e reduzimos drasticamente custos e riscos com logística.

Outro diferencial é manter uma estrutura básica nas regiões de alta demanda para equipamentos eólicos. Em um cenário no qual a energia gerada pelos ventos tem um preço extremamente competitivo, como observamos nos resultados dos Leilões de Energia Nova A-4 e A-6, conseguimos otimizar o tempo da montagem de uma estrutura de fabricação de torres. Dessa maneira, atendemos rapidamente nossos clientes e podemos começar a produção com muito mais agilidade.

Além de todas as vantagens competitivas, a fabricação de torres no canteiro de obras traz um imenso ganho social, já que é utilizada mão de obra local no projeto. Tendo em vista o máximo desempenho dos colaboradores, é recomendável que equipes especializadas atuem in locu e sejam responsáveis por treinar e qualificar essas pessoas, que, com a transmissão de conhecimento, podem desempenhar diversas funções, como: formação de armador, pedreiro, ajudante de pedreiro, etc.

Sou otimista em relação ao mercado de energia renovável e acredito que o segmento continuará forte nos próximos anos, especialmente, depois dos leilões do ano passado e dos próximos, como o que está agendado para abril deste ano. O momento atual do país mostra que a economia está se restabelecendo e a demanda por diversificação energética é crescente, demonstrando o alinhamento das ações nacionais com tendências globais.

Nesse panorama, é imprescindível seguirmos preparados para as oportunidades do presente e do futuro, sempre buscando melhoria contínua em todos os processos e atentos à queda do custo da implantação e do consumo de energia limpa e renovável, que cada vez mais se torna protagonista de um cenário favorável para as próximas gerações.

 

Por Sávio Siqueira, diretor de operações do Grupo Nordex, empresa que atua na fabricação de componentes eólicos e já instalou mais de 21 GW de capacidade de energia em mais de 25 países.

 

Comentários

Deixe uma mensagem