Conexão das renováveis e qualidade da energia

jan, 2018

Boas respostas em mais um excelente encontro técnico na Poli-USP

No último dia 5 de dezembro ocorreu mais um workshop organizado pela Sociedade Brasileira de Qualidade da Energia Elétrica (SBQEE) com importante colaboração da Escola Politécnica da USP, onde o evento ocorreu. A exemplo do primeiro seminário, realizado no primeiro semestre, em que foram abordados temas, como VTCDs, harmônicas e a nova legislação, o segundo evento apresentou, sob diversos pontos de vista, as questões relacionadas à qualidade de energia nas conexões da rede com as fontes renováveis. As apresentações estão disponíveis no site da SBQEE – www.sbqee.org.br. Além disso, a SBQEE passará a ter, a partir da próxima edição, uma coluna específica nesta publicação.

Na abertura do evento, em substituição ao atual presidente da SBQEE, Mateus Duarte Teixeira, apresentei alguns pontos de reflexão sobre o tema das conexões às redes das “GDs e “GñDs” sob os aspectos de cargas e suas características intrínsecas, sobre as decisões técnicas envolvidas quanto à redução de perdas pela GD, modelamentos e aspectos de qualidade de energia das renováveis, além dos desafios do poder concedente na regulação de todo este modelo. As apresentações que se seguiram trouxeram importantes conclusões e geração de muitas outras dúvidas que enriqueceram os debates. O professor Maurício Salles, do LGrid (laboratório de redes elétricas avançadas) da Escola Politécnica, apresentou interessante retrospecto sobre as eólicas, tecnologias e estado da arte, apresentando as linhas de pesquisa e conclusões de seu grupo na Universidade de São Paulo. Na sequência, o professor Walmir Freitas, da Unicamp, representando também a CPFL, apresentou resultados de projetos da distribuidora em convênio com a universidade e as boas perspectivas em relação à qualidade de energia, enfatizando o cumprimento dos indicadores no que diz respeito às distorções de tensões nos pontos de conexão. Walmir apresentou interessantes registros e medições sobre o projeto “Telhados solares”, da CPFL.

Professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Ivan Nunes Santos trouxe discussão sobre compartilhamento de responsabilidades, apresentando modelos de simulação disponíveis e sues pontos críticos, argumentando sobre a necessidade de se buscar modelos que atendam aos requisitos de todos os lados. Apresentou modelamento em laboratório da UFU. O engenheiro Artur Bonelli, representante da SBQEE e de Furnas, apresentou soluções aplicáveis na mitigação dos efeitos de qualidade de energia nas conexões com renováveis.

O também professor da UFU, José Rubens Macedo, com experiência no setor de distribuição e no desenvolvimento das normas e seus critérios, discutiu, de forma bastante didática e com a habitual competência, os aspectos do Prodist e dos Procedimentos de Rede com suas nuances específicas e aplicações. Sobretudo, justificou aos presentes os critérios que se consideram quando da elaboração das normas específicas. O engenheiro Alessio Fernandes trouxe aspectos operacionais de discussão entre acessantes e distribuidoras e critérios a serem considerados envolvendo investimentos e compromissos. Muito boas referências e boas ideias.

No último bloco, o professor Paulo Ribeiro, da Unifei, apresentou sua tese do “entrelaçamento enkáptico de parâmetros elétricos e de sistemas irredutíveis”, com interessantes posicionamentos “quasi-filosóficos”, envolvendo uma viva discussão sobre os limites estabelecidos sem tolerância e clara referência às diferenças entre os valores modelados e aqueles efetivamente medidos. De acordo com o professor, o termo “Enkapsis” diz respeito a “entrelaçamento” associado ao relacionamento entre fenômenos que, com identidades próprias, são unidas em um relacionamento estrutural nas quais todos são necessários e mutualmente interdependentes. O professor Antonio Carlos Zambroni de Souza, também da Unifei, tratou da robustez como métrica da qualidade na inserção de renováveis com inúmeros exemplos obtidos na universidade na aplicação de redes ilhadas.

Importante mencionar a participação do representante do Operador Nacional do Setor Elétrico (ONS), o engenheiro Fabiano Oliveira, durante os dois debates coordenados pelo professor Benedito Bonatto, da Unifei e da SBQEE. O tema central ainda está indefinido, considerando que o investimento em filtros e mitigações nas renováveis deve ser feito durante o empreendimento não havendo condições de se esperar até o final para, então, providenciar as soluções. Espera-se uma convergência de interesses e modelamentos.

Um grande dia de bons debates, de reencontro de amigos e busca de soluções para os desafios. Até o próximo!

Críticas e sugestões podem ser direcionadas ao SBQEE (pelo site) ou ainda para o autor desta coluna.

 

Comentários

Deixe uma mensagem