CINASE premia melhores projetos do Ceará

jun, 2018

Em cerimônia que antecedeu a 30ª edição do CINASE, prêmio reconheceu os melhores projetos elétricos da região do Ceará, que priorizaram por aspectos como sustentabilidade, eficiência energética e conformidade com as normas técnicas brasileiras vigentes

 

Com o objetivo de incentivar os profissionais de engenharia elétrica do país a projetarem e executarem instalações elétricas mais seguras, sustentáveis e confiáveis, surgiu o Prêmio O Setor Elétrico de Qualidade das Instalações Elétricas, uma iniciativa da revista O Setor Elétrico e do Circuito Nacional do Setor Elétrico (CINASE) lançada no início de 2018. A premiação terá três edições neste ano e reconhecerá os melhores projetos de instalação elétrica das regiões que receberão o CINASE. Além do Ceará, o evento passará pelos Estados de Porto Alegre e Rio de Janeiro.

A primeira edição do prêmio já aconteceu e foi um sucesso! No último dia 8 de maio, na noite que antecedeu a 30ª etapa do CINASE, em Fortaleza, foi realizada a cerimônia de entrega do Prêmio OSE de Qualidade das Instalações Elétricas, evento que reuniu, aproximadamente, 200 profissionais e autoridades locais para a solenidade. A jornalista Taís Lopes, apresentadora do programa de televisão “Bom dia Ceará”, conduziu a cerimônia que contou com um pocket show da humorista Madame Mastrogilda, sucesso na região, e com uma palestra magna ministrada pela professora Ruth Pastôra Saraiva Leão.

Um dos momentos marcantes da cerimônia de entrega do prêmio foi a homenagem feita ao engenheiro João Mamede Filho, uma sumidade na área de energia do Ceará. Com mais de 40 anos de profissão, acumulou uma vasta experiência no setor elétrico nacional, tendo sido diretor da Coelce por dez anos e ex-presidente do CCON (Comitê Coordenador de Operação do Norte/Nordeste. Foi ainda professor universitário por 33 anos e autor de diversos livros voltados para a engenharia elétrica. Por seu trabalho e legado para o setor elétrico cearense, a revista O Setor Elétrico e o CINASE aproveitaram a ocasião para entregar uma placa de homenagem ao engenheiro Mamede.

“Ter ganhado o prêmio me traz o sentimento de ter vencido porque quando a gente entra na faculdade, sonha em ver e participar daquelas grandes obras da engenharia. Então, hoje, me sinto confortável, aos 72 anos, com o sentimento de missão cumprida”, declarou o homenageado. Emocionado, o engenheiro Mamede conta que sua vida foi marcada por vários pontos altos. “Me orgulho por ter chegado à diretoria da Coelce, a empresa de eletricidade mais importante do Estado, sem fazer parte de qualquer grupo político. Lá encontrei grandes desafios e fiquei muito entusiasmado por isso. Eram projetos completamente diferentes e muito maiores do que eu estava acostumado a lidar até então”, afirmou. E relembra também os pontos baixos da carreira: “Minha pequena frustração é não ter realizado o sonho do mestrado e doutorado. Saí do interior, da cidade de Massapê (CE), sem luz, para morar no Rio de Janeiro, onde fiz o curso de Engenharia. Sempre sonhei em fazer o mestrado e o doutorado, mas temia em ficar novamente longe da família, por isso, acabei perdendo algumas oportunidades na vida acadêmica”, conta. Mamede, que lutou algumas vezes contra o câncer, lembrou ainda das dificuldades pelas quais passou por conta da doença e como ele se aproveitou do tempo livre que dispunha em São Paulo, devido ao tratamento médico, para armazenar seu conhecimento em mais uma obra literária. O seu quinto livro, intitulado “Projetos de subestações de alta tensão”, está em processo de edição e deverá ser publicado em breve.

O prêmio reconheceu a excelência de projetos elétricos nas seguintes categorias: instalações elétricas industriais e comerciais; pesquisa & desenvolvimento; energia renovável; projeto luminotécnico; inovação tecnológica; e projeto do ano (um por região). Confira os vencedores no quadro a seguir.

Vencedor em duas categorias (Projeto luminotécnico e Projeto do ano), o engenheiro eletricista Francisco Itaimbé Matias, responsável pela reforma e ampliação da Escola de Ensino Médio Maria Antonieta Nunes, conta que a premiação potencializa as oportunidades de negócio por ser um diferencial para clientes que buscam profissionais para a elaboração de seus projetos. “É extremamente gratificante ser um dos vencedores. Aumenta a convicção de que, na elaboração de projetos de Instalações Elétricas, a rigorosa observância às normas técnicas é sempre a decisão mais acertada. Receber o prêmio OSE representa para mim a satisfação e o orgulho de ter o trabalho reconhecido, num mercado de grandes projetistas como o cearense. Orgulho não só para mim, mas também para o Departamento de Arquitetura e Engenharia do Ceará”, declara Matias.

Vencedor do primeiro lugar na categoria Inovação Tecnológica, o engenheiro Júlio Cezar Freire de Menezes revelou-se muito honrado com o reconhecimento. “Sou intra-empreendedor da Enel e, no mundo das startups, todos os dias são conturbados. Existem os dias de passos importantes e dias mais desanimados. Tudo o que temos que fazer é nunca desistir. Minha startup cura a dor de grandes clientes e intermedia serviços de manutenção elétrica nas indústrias. Estar no meio de personalidades da geração distribuída no Brasil, como a Dra. Ruth Leão e o autor de livros de engenharia mais adotados do Brasil, o professor Mamede, tem um valor imensurável”, comemora. O engenheiro Menezes fez questão de mencionar o quanto sua participação e vitória na premiação contribuiu para aumentar a sua rede de contatos, especialmente, na rede social profissional, o LinkedIn.

Compõem a comissão julgadora renomados especialistas nas categorias em que a premiação foi segmentada, além de profissionais das áreas técnicas de associações setoriais, institutos de pesquisa, universidades e outros profissionais de reconhecida atuação técnica. Os projetos inscritos foram avaliados, considerando critérios como topologia da instalação; aspectos de proteção; conformidade com as normas técnicas; aspectos de automação e informação; originalidade e referência.

CINASE Fortaleza

Considerado o principal congresso itinerante de instalações elétricas no país, o Circuito Nacional do Setor Elétrico (CINASE) ancorou em Fortaleza nos dias 9 e 10 de maio. Esta é a primeira cidade a receber o evento em 2018. O congresso passará ainda por Canoas (RS), Rio de Janeiro (RJ) e uma edição extraordinária em São Paulo (SP).

Composto por congresso e área de exposição, o CINASE aborda temáticas que envolvem desde a geração até a instalação elétrica final de baixa e média tensão. Em Fortaleza, a energia renovável foi destaque no primeiro dia do evento. O diretor da Enel Brasil, Bruno Cecchetti, abriu a programação com uma palestra sobre inovação na área de distribuição e falou sobre o novo consumidor de energia, que é impactado pelas novas tecnologias que estão transformando a sociedade, como digitalização, mobilidade elétrica, redes inteligentes, armazenamento de energia e indústria 4.0. Cecchetti apontou para o novo “prossumidor” de energia, que não é mais apenas receptivo, mas participativo, que terá maior controle sobre o uso da energia, que terá a disponibilidade de outros players para oferta de energia, não sendo mais dependente do fio. A Enel vem se preparando para essa nova realidade, pensando e executando projetos que vão ao encontro dessa transformação que vem ocorrendo no mundo. O executivo aproveitou a oportunidade para falar sobre projetos, como a planta dessalinizadora do Ceará, que está sendo construída para contribuir com o abastecimento do sistema de resfriamento do ciclo de vapor frente ao iminente colapso do fornecimento de água no Estado.

O presidente da Câmara Setorial de Energias Renováveis do Ceará, Jurandir Picanço, foi um grande apoiador do evento e agregou à programação com uma palestra que apresentou um panorama mundial e brasileiro das fontes de energia renováveis e geração distribuída. Lembrou, em sua apresentação, dos compromissos para 2030 assumidos pelo Brasil no que diz respeito à energia: expansão do uso de outras fontes renováveis de energia, que não hidroelétrica, entre 28% e 33%; e aumento da cota das energias renováveis (além da hidroelétrica) no fornecimento de energia elétrica para, pelo menos, 23%. Apontou o Estado do Ceará como líder da região Nordeste em geração distribuída.

O homenageado na noite anterior, durante o Prêmio OSE, João Mamede Filho e seu filho, Daniel Ribeiro Mamede iniciaram os debates mais técnicos do primeiro dia, apresentando um trabalho sobre compartilhamento de perdas em linhas de transmissão em parques eólicos.

As palestras que se seguiram abordaram temas, como operação e manutenção de subestações; microrredes inteligentes; transformador elétrico e o meio ambiente; especificação de painéis elétricos de média tensão e qualidade de energia.

A novidade do segundo dia do congresso foi a participação, pela primeira vez no evento, do engenheiro Paulo Barreto, especialista renomado em instalações elétricas de baixa tensão. Barreto abriu o segundo dia do evento com uma apresentação sobre a ABNT NBR 5410, norma que está em revisão técnica atualmente.

“As palestras que vi até agora foram dadas por profissionais de renome, que trouxeram novas formas de operação, que trazem novidades. Este mercado de energia sempre tem novidades e são nesses lugares que a gente consegue se atualizar. Quem vem para cá já vê de forma condensada as novidades, aplicadas em produtos”, avaliou o eng. Mamede.

As palestras dos especialistas são intercaladas com mini palestras técnicas feitas por convidados da indústria, que aproveitam o espaço para apresentar, tecnicamente, novas tecnologias e aplicações de soluções que tenham relação com as apresentações principais.

O congresso conta com a coordenação dos engenheiros Jobson Modena, especialista em proteção e aterramento, coordenador da comissão que revisou a recém-publicada ABNT NBR 5419 (SPDA), e José Starosta, especialista em eficiência energética, membro das diretorias do Deinfra/Fiesp e da Sociedade Brasileira de Qualidade de Energia (SBQEE).

Para promover o networking e facilitar a comunicação entre participantes, palestrantes e empresas expositoras, o evento conta com uma ferramenta interativa para auxiliar os participantes antes, durante e depois do congresso. Com o aplicativo, que leva o nome do evento, os congressistas conseguem fazer perguntas e os palestrantes respondê-las, além de permitir ações promocionais e fomentar o relacionamento entre todos os participantes: congressistas, palestrantes, organizadores e patrocinadores do evento.

Comentários

Deixe uma mensagem