Certificados de energia renovável

dez, 2018

O ano de 2018 não pode terminar sem que eu aborde um importante tema para o setor de energias renováveis e que está despertando cada vez mais interesse dos empresários. Refiro-me ao Programa de Certificação de Energia Renovável, que está registrando um crescimento considerável no Brasil e demonstra que existe um futuro promissor para as empresas que quiserem investir neste negócio. É mais um fruto importante dos nossos bons ventos e que trará benefícios não apenas para as empresas que aderirem ao programa, mas para o próprio setor eólico como um todo, já que impulsiona seu crescimento.

Para os leitores que não são do setor, acho que vale uma breve explicação introdutória dos certificados. O sistema funciona por um sistema de contabilização que controla o equilíbrio entre entrada e saída de certificados. Quando uma geradora é certificada, a energia gerada é acompanhada da geração dos Certificados de Energia Renovável (RECs) correspondentes ao montante produzido. Um REC é a prova de que 1 MWh (um megawatt hora) foi injetado no sistema a partir de uma fonte de geração de energia renovável. Quando um consumidor compra um REC de uma geradora, ele se apropria, por meio de um certificado, daquela energia que foi injetada no sistema e aquele REC não será usado por mais ninguém e aquela quantidade de energia sai da conta do sistema.

Quanto mais cresce a procura por RECs, mais cresce a necessidade de termos geradoras de energia renovável. Para que uma determinada geradora possa emitir RECs e vendê-los, ela precisa passar por um processo de certificação. No site do Programa www.recbrazil.com.br, é possível ter informações detalhadas sobre todo o processo e como é feita a compra e venda verificadas, em ambiente certificado, de acordo com as legislações vigentes que normatizam este sistema.

O fato é que a demanda por RECs é maior a cada dia. Até outubro de 2018, por exemplo, já havíamos chegado à marca de 1,3 milhão de certificados comercializados no ano, o que já era cinco vezes superior ao comercializado em 2017. Em 2019, a estimativa é chegar a 3 milhões de certificados.

Estes dados que estou mencionando são fornecidos pelo Instituto Totum, emissor local de RECs no Brasil credenciado pela organização mundial I-REC Services. O Programa de Certificação de Energia Renovável, por sua vez, foi criado pela Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa (Abragel) e a Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), e já conta com apoio da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

O crescimento do interesse pela certificação e compra dos RECs sinaliza que as empresas estão preferindo consumir energia renovável e, ao mesmo tempo, mostra o compromisso com a mudança de comportamento energético. Em outubro deste ano, por exemplo, a Vivo, marca da Telefônica no Brasil, informou que, a partir de novembro, a empresa passa a registrar 100% de seu consumo de energia elétrica proveniente de fontes renováveis, com a obtenção de energia renovável certificada.

Em resumo, a mensagem que gostaria de deixar para as empresas é que este é um tema importante e que merece a atenção de todos os empresários conscientes de seu papel de promover a Sustentabilidade. Nós estamos investindo nesse Programa porque acreditamos em seu enorme potencial e em seus benefícios para a sociedade. Nossos bons ventos estão nos dando mais uma coisa da qual poderemos nos orgulhar e que vai significar uma contribuição para um futuro mais sustentável.

Comentários

Deixe uma mensagem