“Brasil será o principal mercado da Trina Solar na América Latina em 2020”

dez, 2019

Diretor geral Álvaro García-Maltrás faz balanço positivo da Trina Solar no Brasil em 2019, prevê expansão das operações no país em 2020 e comenta a polêmica envolvendo a ANEEL e a Resolução 482

Diretor geral para América Latina e Região do Caribe da Trina Solar, o espanhol Álvaro García-Maltrás afirmou que o Brasil deve ocupar uma posição de destaque, tornando-se o principal mercado fotovoltaico na América Latina em 2020 — superando a liderança do México –, reflexo do ritmo acelerado de crescimento do setor nos últimos anos. A potência instalada acumulada de energia solar no Brasil era

de 2,4 GW em 2018 e a previsão da ABSOLAR é chegar a 3,3 GW em 2019, ou seja, um aumento estimado de 37%.

“No Brasil, a Geração Distribuída é um segmento forte, conduzido principalmente por empresas locais, o que acaba refletindo em maior sustentabilidade e confiabilidade no mercado. No México e no Chile, países onde a energia solar também está em ascensão, os mercados são focados em grandes usinas e dominados por empresas europeias, norte-americanas e chinesas”, explicou García-Maltrás. “Por causa desta particularidade do mercado brasileiro, devemos expandir ainda mais nossas operações no Brasil no ano que vem.”

O diretor geral também anunciou o lançamento em 2020 do software para a solução TrinaPro (composto por painéis, trackers e inversores), utilizado em projetos de maior porte. “O software irá otimizar a interação entre essas três estruturas da TrinaPro que, quando combinadas com os dados locais de clima e incidência solar, podem aumentar o  rendimento dos painéis em até 2% comparado com projetos que não contam com um software como o desenvolvido pela Trina Solar.”

Sobre a polêmica da revisão da Resolução 482 pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), que trata da Geração Distribuída no país, o diretor geral comentou: “Temos confiança de que o governo brasileiro não deterá o crescimento de um setor tão dinâmico como é o de fotovoltaico. O setor vem evoluindo rapidamente, criando consideravelmente novos postos de trabalho. Do nosso ponto de vista, não faria sentido limitar esse desenvolvimento porque a penetração da energia solar é relativamente pequena quando comparada aos diferentes tipos de fontes energéticas disponíveis no país. Ainda há muito espaço para crescer, e seria uma pena limitar este crescimento que acaba de começar.”

García-Maltrás confirmou ainda a estimativa de a Trina Solar fechar 2019 com 20% do market share no Brasil. “Trabalhamos esse ano com a Aldo e a WEG, que são parceiros fortes no segmento de Geração Distribuída, e com outros parceiros que agregaram muito valor para a Trina Solar no Brasil. Também fechamos contratos com grandes usinas solares que nos ajudarão com a penetração da marca no mercado”, completou.

A paranaense Aldo Solar, listada pelo jornal Valor Econômico como uma as 1000 maiores empresas do país e 2ª no setor Comércio Atacadista e Exterior, foi a primeira parceira da Trina Solar a comercializar os primeiros módulos de alta potência da marca (de 400W) no mercado brasileiro. Segundo García-Maltrás, esta será a tendência do setor fotovoltaico para os próximos anos, com painéis de potência cada vez mais alta.

“Os novos módulos TALLMAX com potência de 430W a 450W e DUOMAX TWIN com potência de 430W a 445W, lançados em novembro para o mercado brasileiro e global, atendem a essa demanda por módulos de maior potência. Como estamos vivendo um momento de avanço tecnológico muito rápido, é muito provável a Trina Solar anunciar módulos já de uma geração seguinte, com potência de até 500W, em um futuro próximo.”

No exterior, a Trina Solar encerrou 2019 como uma das 3 Tops Exportadoras Globais de soluções para energia solar e, pela 4ª vez consecutiva (2016 a 2019), foi indicada pela Bloomberg New Energy Finance (BlombergNEF) como a fornecedora de módulos fotovoltaicos 100% mais financiável do mundo.

Líder global de energia fotovoltaica e fornecedora de soluções inteligentes completas em energia, presente no Brasil desde 2017, a Trina Solar também foi incluída na lista de Fábricas Green do Ministério de Indústria e Tecnologia da Informação do governo chinês (MIIT-Ministry of Industry and Information Technology).

Todo ano, a Trina Solar divulga seu relatório de Responsabilidade Social Empresarial (RSE) e o comprometimento com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU para 2030, ajudando a mitigar  a miséria e a fome, a melhorar a saúde e bem-estar de todos, a assegurar educação de qualidade inclusiva e justa, a prover acesso à energia confiável e limpa, a implementar modelos de produção responsáveis e a combater as mudanças climáticas. A atuação de excelência lhe valeu medalhas de ouro da EcoVadis, organização global que faz avaliações de sustentabilidade, em reconhecimento da contribuição de longa data da Trina Solar para promover a sustentabilidade.

Comentários

Deixe uma mensagem