Banco do Brasil inaugura usina solar construída pela EDP

mar, 2020

Empreendimento fornecerá energia limpa para 100 agências e garantirá economia de R$ 80 milhões em 12 anos

O Banco do Brasil (BB) recebeu da EDP, empresa que atua em todos os segmentos do setor elétrico, sua primeira usina de energia solar na modalidade de geração distribuída. O empreendimento, localizado no município de Porteirinha, no norte de Minas Gerais, tem capacidade instalada de 5 megawatts (MWac) e vai garantir o fornecimento de energia renovável para 100 agências do Banco no estado mineiro, permitindo à instituição economizar R$ 80 milhões ao longo de 12 anos.

Os 19 mil painéis solares instalados têm capacidade de geração de 14 mil MWh por ano, o suficiente para abastecer 5.833 residências com consumo médio de 2.400 kWh/ano. Localizado em uma área de 20 hectares, equivalente a 20 campos de futebol, o empreendimento vai possibilitar uma redução de 58% na conta de energia das agências do Banco em Minas Gerais.

O meio ambiente também terá benefícios, já que 1.000 toneladas de dióxido de carbono deixarão de ser emitidas por ano, o que corresponde ao plantio de cerca de 7.000 árvores. Ao todo, 112 colaboradores, entre diretos e indiretos, trabalharam no projeto.

O Banco do Brasil prevê que outras seis usinas do tipo devem entrar em operação até o fim de 2021, nos estados de Minas Gerais, Goiás, Pará, Bahia e Ceará, além do Distrito Federal. Quando concluídas, as sete unidades vão fornecer 42 gigawatts-hora (GWh) de energia por ano, total semelhante ao consumo de 17,5 mil residências. A instituição espera, com essas medidas, deixar de emitir cerca de 3.000 toneladas anuais de dióxido de carbono, o que equivale ao plantio de aproximadamente 19.000 árvores.

“A entrega de um empreendimento desta magnitude, dentro do prazo e do custo pactuados, a um cliente como o Banco do Brasil, um dos principais bancos públicos brasileiros, reflete a credibilidade conquistada pela EDP no mercado de energia solar. Este projeto evidencia o compromisso da Companhia em liderar a transição energética no Brasil, estimulando, cada vez mais, a adoção das fontes renováveis”, afirma Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil.

“Com foco na sustentabilidade e na eficiência energética, o Banco do Brasil vem direcionando investimentos, ações e esforços para o desenvolvimento dos negócios sustentáveis, aprimorando práticas e processos. Desse modo, o BB entende que, ao atuar com boas práticas em sustentabilidade corporativa, estimula responsabilidade ambiental, gerando valor no longo prazo junto a seus públicos de relacionamento”, observa Mauro Ribeiro Neto, vice-presidente Corporativo do Banco do Brasil.

Histórico de excelência

Desde 2017, a EDP negociou 46 MWp em projetos de energia solar – 24 MWp já entregues e 22 MWp em contratados. Dentre os destaques, a Companhia entregou duas usinas solares para o Grupo Globo. A mais recente foi construída nos novos estúdios inaugurados no Rio de Janeiro, conhecidos como MG4. A primeira foi instalada nos escritórios da emissora em Recife (PE).

A EDP construiu ainda um complexo fotovoltaico para a Multiplan, um dos principais grupos do ramo de shopping centers do País. Localizado em Itacarambi, no norte de Minas Gerais, o conjunto de duas usinas totaliza a capacidade de 8,33 MWp, gerando 17,5 GWh por ano, o suficiente para abastecer cerca de 9.700 residências.

A Companhia também acaba de entregar uma usina solar à Brametal, dona de uma das maiores fábricas do mundo em produção de estruturas metálicas galvanizadas a fogo. A energia gerada na unidade evitará a emissão de 186,93 toneladas de CO2, o que equivale ao plantio de 1.378 árvores.

Mercado de energia solar e geração  distribuída

A capacidade instalada da energia solar no Brasil já ultrapassou 3,4 Gigawatts (GW), somando os projetos de grandes usinas e os micro e minigeradores distribuídos em todo o país. Segundo os dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), são 2,26 GW em geração centralizada e 1,19 GW no segmento distribuído, totalizando cerca de 3,45 GW de energia gerados pelo sol brasileiro.

Minas Gerais lidera o ranking de geração de energia fotovoltaica no Brasil, seguido do Rio Grande do Sul e de São Paulo. Desde 2012, já foram investidos R$ 8,4 bilhões em projetos com essa fonte no País. No ano passado foram abertos 92 novos postos de trabalho por dia, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), que estima em 100 mil o número atual de empregos gerados pelo segmento.

Comentários

Deixe uma mensagem