Acidentes com choques elétricos no Brasil: em 7 anos, mais de 4 mil mortes

mar, 2020

O Anuário Estatístico de Acidentes de origem elétrica 2020 – ano base 2019 lançado hoje pela Abracopel – Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade, mostra um aumento em todos os dados apurados. Desde 2013, a entidade organiza os dados de acidentes de origem elétrica criando um anuário único no país que mostra um cenário muito preocupante. Em 7 anos de levantamento de dados é possível afirmar que mais de 4.300 pessoas perderam suas vidas somente em acidentes envolvendo choque elétrico.

As mortes por choque elétrico que, em 2018, somaram 627, em 2019 os números subiram para 697, um aumento de 12%. Já os incêndios originados em sobrecargas de energia e posterior curto-circuito subiram ainda mais: em 2018 foram 537 incêndios com 61 mortes, 2019 fechou com 656 incêndios e 74 mortes, neste caso o aumento foi de 23%. Os acidentes com descargas atmosféricas (raios) aumentaram de 51 para 85 ocorrências e de 38 para 50 mortes, de 2018 para 2019.

A região Nordeste continua campeã nos números de ocorrências e mortes. Se em 2018 foram 261 mortes, em 2019 os números subiram para 287 mortes, sendo que o estado da Bahia que vinha se posicionando sempre em 1º lugar e que em 2018 perdeu essa posição para o Estado São Paulo, voltou a assumir a liderança com 83 mortes (São Paulo vem em 2º lugar com 63 mortes – veja o ranking dos estados no final desta matéria). A região Sudeste vem em segundo lugar com 142 mortes por choque elétrico, em seguida a Região Sul com 109 mortes, o Norte com 86 e o Centro-Oeste com 73 mortes.

Em 7 anos (série histórica da Abracopel) o Nordeste somou 1889 mortes por choque elétrico, seguido da Região Sudeste com 871 mortes e a região Sul com 713 mortes.

Quando tipificamos os acidentes, verificamos que historicamente dois locais sempre se destacaram, tanto na série histórica como também no ano de 2019: as residências e a rede aérea de distribuição. Em 7 anos, a rede aérea matou 1269 pessoas por choque elétrico, porém as mortes dentro de casa somaram 1403 nos mesmos 7 anos. Em 2019, a rede aérea vitimou 206 pessoas, já as casas (aí se somam apartamentos, sítios, fazendas) somaram 228 mortes.

REDE AÉREA
Quem mais morre em contato com a rede aérea? Segundo o Anuário Estatístico da Abracopel, historicamente são os trabalhadores da construção civil (aqui somadas várias profissões ligadas à esta área como pedreiros, pintores, soldadores, ajudantes etc.), que somaram, em 2019, 69 mortes. Em 7 anos (série histórica) o número total de mortes destes profissionais somou 524 mortes.
Em linhas gerais, a profissão que mais mata em relação à rede aérea é de eletricistas autônomos. Em 2019 foram 28 mortes, e em 7 anos foram 123 mortes deste profissional. O que mostra a importância da capacitação para estes profissionais. O Brasil é um dos países com as melhores normas e leis de segurança do trabalho, porém elas precisam ser seguidas e, principalmente, fiscalizadas. O velho hábito brasileiro do jeitinho, no caso desta profissão, pode ser fatal. Outro profissional que se destaca no número de mortes em relação a rede aérea é o agricultor, se em 2019 foram 25 mortos deste profissional em contato com a rede aérea, em 7 anos o número soma 93 mortes.

MORADIAS
As residências, a cada ano, vêm mostrando não ser o local que, historicamente, deveria ser considerado o mais seguro para uma família. Em 7 anos de levantamento estatístico, as moradias foram o cenário de 1403 mortes. Mas a pergunta é: que tipo de ocorrência mais mata as pessoas dentro das casas? Segundo o Anuário Abracopel, em 2019 o fio partido em ambiente interno foi a maior causa das mortes com 99 ocorrências e 85 mortes. Em seguida vem os eletrodomésticos e eletroeletrônicos que mataram 52 pessoas de 57 ocorrências. E qual é o eletrodoméstico que mais mata? Em 2018 foi a máquina de lavar roupas que vitimou 12 pessoas, mas em 2019 mesmo sendo ainda um destaque com 13 mortes, não foi a máquina de lavar e sim as geladeiras (aqui incluídos freezer e frigobar) as campeãs em mortes por eletrodomésticos com 16 ocorrências e 16 mortes. Entretanto, os celulares continuam se destacando negativamente, depois do boom de 2018 com 23 mortes, em 2019 tivemos 19 ocorrências com 15 mortes – aqui é importante lembrar que são dados específicos de choques elétricos, se somarmos as ocorrências e mortes envolvendo carregadores de celular e incêndios e explosões – 15 ocorrências com 2 mortes, teremos 34 ocorrências e 17 mortes.

2020: O ANO INICIA COM DADOS ASSUSTADORES
E o mês de janeiro nos trouxe uma realidade que não queremos ver: os dados de acidentes bateram novo recorde desde o início do trabalho de levantamento de dados: foram 181 ocorrências e 93 mortes somente no 1º mês do ano. Os acidentes com choque elétrico, uma vez mais, se destacam, com 99 ocorrências e 83 mortes, os incêndios por sobrecarga, apesar de muitos: 70 ocorrências, resultaram felizmente em apenas 1 morte; e as descargas atmosféricas somaram em janeiro de 2020, 12 ocorrências com 09 mortes.

O QUE FAZER?
Não podemos deixar que esta tendência permaneça, precisamos urgentemente, tomar medidas de alerta para a população leiga e profissionais do setor no sentido de buscar uma mudança neste cenário que nos é apresentado.
Falar de números e dados parece algo muito frio, mas os números, em sua frieza, nos mostram a realidade e, principalmente, nos indicam caminhos para mudarmos essa realidade. Importante salientar que quase 100% destes acidentes não deveriam ter acontecido se as pessoas fossem mais informadas a respeito dos riscos que a eletricidade oferece quando não é respeitada.
Falar de mortes é muito ruim, por isso vamos falar de vidas e de como podemos preservá-las. A Abracopel, há mais de uma década, vem criando ações – todas elas gratuitas – oferecendo aos profissionais – e também aos leigos – que lidam com a eletricidade todos os dias, ferramentas de conhecimento e conscientização. Ferramentas para que possam lutar a batalha diária de sua profissão: a segurança.
Conheça as ações da Abracopel e nos ajude a modificar o cenário atual de acidentes de origem elétrica no Brasil. Conheça nossas ações em www.abracopel.org.br

Comentários

Deixe uma mensagem