Publicidade - Revista O Setor Eltrico
Publicidade - Revista O Setor Eltrico

Revista O Setor Elétrico


Atitude Editorial

 

 

Facebook - O Setor Elétrico Twitter - O Setor Elétrico You Tube - O Setor Elétrico RSS - O Setor Elétrico

 


José StarostaJosé Starosta

é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 


Quando “as coisas” partem Parte 3B – A velocidade de manobra

E-mail Imprimir

Edição 104 - Setembro de 2014
Por José Starosta

Além da isenção de transientes (tratado na edição anterior), outro tema que merece atenção é a velocidade de manobra dos capacitores. Considerando-se que a velocidade de manobra das cargas pode ser extremamente rápida, é de se esperar que ocorram flutuações de tensão durante os instantes de variação da carga, em outras palavras, a tensão irá flutuar em função da solicitação da carga à rede em que está conectada.

Quando as “coisas” partem - Parte III

E-mail Imprimir

Edição 103 - Agosto de 2014
Por José Starosta

Partidas de capacitores

A injeção de energia reativa em instalações elétricas de baixa tensão com a instalação de capacitores já foi apresentada e discutida em colunas anteriores de “O setor elétrico” com diversas abordagens, incluindo, além dos aspectos de compensação do fator de potência em si, ressonância harmônica, velocidade de manobra, influência em operação com geradores e outras características (ver edições de janeiro de 2014, maio e junho de 2011, setembro de 2012 e outras).

Quando as “coisas” partem - Parte II

E-mail Imprimir

Edição 102 - Julho de 2014
Por José Starosta

Partidas de motores

As correntes de partida em motores de corrente alternada são uma das mais “combatidas” no cotidiano das grandes instalações e, historicamente, a tecnologia tem auxiliado no tratamento deste assunto. A razão principal é a importância direta destas correntes na qualidade da energia e nos afundamentos de tensão relativos. O principal ponto de consideração no tema é a limitação desta corrente de partida dos motores de forma que a rede elétrica não “sofra” e suporte a solicitação da partida em todo seu regime até que se atinja o regime síncrono (operação estável) com a minimização dos afundamentos e transientes decorrentes destas partidas.  Porém, enquanto determinada carga tenta partir, outras se encontram em operação na mesma rede e a partida desta carga não pode interferir na operação plena das outras.

Página 1 de 16