Publicidade - Revista O Setor Eltrico
Publicidade - Revista O Setor Eltrico

Revista O Setor Elétrico


Atitude Editorial

 

 

Facebook - O Setor Elétrico Twitter - O Setor Elétrico You Tube - O Setor Elétrico RSS - O Setor Elétrico

 


José StarostaJosé Starosta

é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 


Aplicação de geradores em instalações elétricas: alguns cuidados necessários

E-mail Imprimir

Edição 112 - Maio de 2015
Por José Starosta

Na última edição, abordamos a possibilidade apresentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), por meio da portaria 44 do MME, de compra da energia gerada por unidades consumidoras e que atualmente se encontra em estudo após a chamada pública.

A inversão do fluxo da energia – Consumidores vão gerar para o sistema elétrico

E-mail Imprimir

Edição 111 - Abril de 2015
Por José Starosta

O tema não seria novo se estivéssemos tratando da geração fotovoltaica que já está regulada e que só aguarda a redução do apetite dos governos estaduais nas cobranças do ICMS para a sua viabilização. Do ponto de vista conceitual, outra ideia de geração distribuída está sendo ampliada. Encontra-se em fase de análise de votos e aprovação na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a resolução que objetiva contratar energia gerada por consumidores típicos e regulares e que estejam atendidos por distribuidoras interligadas ao sistema interligado nacional - SIN, enquadrados em sistemas tarifários padronizados, com instalações de geração adequadas, registradas ou outorgadas, além de outras exigências de regularidade aplicáveis.

Mitigação dos problemas de qualidade da energia – Ações corretivas

E-mail Imprimir

Edição 110 - Março de 2015
Por José Starosta

Vencida a primeira etapa da identificação dos problemas da qualidade de energia, normalmente conduzida por levantamentos, vistorias e, fundamentalmente, por medições adequadas, cabem, em uma segunda etapa, as definições e especificações das ações corretivas aplicáveis. A questão desta especificação da solução pode considerar uma simples mudança no esquema de aterramento, a troca de algum transformador, painel ou ainda a mudança do ponto de alimentação da carga. Pode ainda considerar a instalação de um novo equipamento (ou conjunto de equipamentos), sua incorporação à instalação, esperando que venha contribuir para o aumento da confiabilidade de operação e com aumento da qualidade da energia de alimentação às cargas. Alguns cuidados devem ser tomados com relação ao possível aumento do consumo da energia, tornando a solução ineficiente ou não sustentável. O elenco de equipamentos e soluções é relativamente grande e a IEEE 1100 (“Power and Grounding Electronic Equipment”), publicada em 1999, em seu capítulo 7, procurou cobrir todas as possibilidades disponíveis à época com elaborado detalhamento. Desde então estes equipamentos vêm sendo modificados pela natural evolução tecnológica; outros foram ainda desenvolvidos, modificados e inventados, aumentando a gama de ofertas e soluções.

Página 1 de 18