SPDA não isolado – condutores de descida naturais

dez, 2013

Edição 94 – Novembro 2013
Por Jobson Modena
 

A ABNT NBR 5419 (item 5.1.2.4) permite a utilização dos seguintes elementos como descidas naturais:

  • Pilares metálicos utilizados nas estruturas;
  • Elementos da fachada (perfis e suportes metálicos), desde que suas seções sejam no mínimo iguais às especificadas para os condutores de descida conforme Tabela 1 e com a sua continuidade elétrica no sentido vertical, no mínimo, equivalente;
  • Superfícies condutoras de eletricidade superpostas de forma consecutiva, desde que o afastamento entre elas não seja superior a 1 mm, com área de trespasse não inferior a 100 cm² e que sua continuidade não possa ser afetada por modificações posteriores ou por serviços de manutenção;
  • As instalações metálicas da estrutura (inclusive quando revestidas por material isolante), desde que suas seções sejam, no mínimo, iguais às especificadas para condutores de descida na Tabela 1 e com continuidade elétrica no sentido vertical, no mínimo, equivalente;
  • Tubulações metálicas, exceto gás, podem ser admitidas como condutores de descida, desde que satisfaçam às condições já mencionadas;
  • Armaduras de concreto pré-moldado devem ter assegurada a continuidade elétrica de cada elemento, bem como entre os elementos adjacentes de concreto pré-moldado;
  • Estruturas de concreto protendido não podem fazer parte do sistema de escoamento de corrente de descarga atmosférica, inclusive, para certas situações específicas devem as distâncias de segurança serem consideradas.

Quando são utilizadas estruturas de concreto protendido com pouca espessura (telhas), é importante prevenir não somente o impacto direto como também os centelhamentos. Ambos os efeitos podem descascar o concreto que recobre o aço tensionado, causando infiltração de água e a consequente oxidação desse aço, que pode levar à destruição do conjunto sob protensão.

Há condições preestabelecidas em 5.1.2.5.4 para que as armaduras de aço interligadas das estruturas de concreto armado possam ser utilizadas como condutores naturais de descida. Para tanto, deve-se garantir que cerca de 50% dos cruzamentos entre barras da armadura, incluindo os estribos, estejam firmemente unidos e que a região de trespasse apresente o comprimento de sobreposição de, no mínimo, 20 diâmetros da barra. As fixações poderão ser feitas com arame de aço torcido, solda ou conectores mecânicos (Figura 1).

Para edificações existentes, em que é muito difícil garantir que a interligação entre os vergalhões, tenha sido realizada conforme as prescrições da norma, a utilização das armaduras pode ser viabilizada somente após a execução de um ensaio de continuidade elétrica que consta do Anexo E da ABNT NBR 5419.

Apesar de ter sido um ano incomum, 2013 nos permitiu trabalhar de forma bastante satisfatória e criar expectativas positivas para 2014.

O texto revisado da ABNT NBR 5419 foi entregue à ABNT, que logo o disponibilizará para votação pública dando oportunidade a muitas pessoas participarem do processo de revisão.

Dessa forma, se tudo acontecer dentro do previsto e, com a participação de todos, teremos uma ótima  ABNT NBR 5419:2014.

Assim, desejamos feliz Natal e um próximo ano de muito aprendizado e sucesso.

Comentários

Deixe uma mensagem