Quanto custa um data center parado?

ago, 2016

Julho de 2016

Por Adiel Machado*

Nos últimos anos, a demanda por armazenamento de dados vem crescendo significativamente. Por trás desta tendência está o aumento da geração de conteúdo por meio de mídias sociais, uso de marketing digital e até mesmo de cursos online. O resultado desta realidade é o crescente investimento em data centers. O data center é o coração da computação em nuvem e, em plena era da digitalização de serviços, está fadado a seguir crescendo em tamanho, capacidade e sofisticação.  Existem empresas de serviços que, cinco anos atrás, eram sequer imaginadas e hoje operam 100% através de plataformas online. O business dessas empresas acontece por meio de operações bancárias na internet, o que aumenta ainda mais a demanda dos data centers. Chega a assustar saber que 24 horas em tempo de gravações de vídeos são enviadas para o Youtube a cada minuto (mais de 34.560 horas em vídeos por dia!). Isso geraria o equivalente a cinco milhões de terabytes de dados.

Este quadro nos leva a crer que o crescimento da demanda por serviços de data center aumenta proporcionalmente também os riscos e os custos de downtime da operação. Qualquer um de nós fica decepcionado ao não conseguir enviar uma mensagem via Whatsapp ou consultar um extrato bancário. Em um mundo totalmente conectado, não aceitamos não conseguir efetivar uma compra na internet. Falhas ou atrasos em qualquer uma dessas operações significa muitas vezes a perda de uma venda ou de uma oportunidade. Problemas na infraestrutura digital podem, portanto, representar prejuízos para a operação de negócios.

Essa realidade demanda a utilização de produtos e equipamentos que possam assegurar que os servidores, os dispositivos de armazenamentos e periféricos de segurança estejam operando em condições adequadas e permaneçam funcionando sempre, mesmo com falta de energia e outros fatores não controláveis. Essa é uma condição sine qua non para a economia digital.

Além de contar com as melhores soluções de TI e de Telecomunicações no data center que atua na retaguarda do negócio digital, é imprescindível aderir às melhores práticas de gestão deste universo:


Manutenção preventiva

Todo investimento inicial em equipamentos de infraestrutura para manter o data center funcionando deve ser otimizado para atingir o tempo de vida útil estimado dos equipamentos em uma operação saudável. Em alguns casos, é possível estender um pouco este tempo de operação. Para que possa correr tudo como esperado, porém, é necessário programar revisões e manutenções preventivas em todos os equipamentos de climatização de precisão, UPSs, réguas de energia, cabos e conexões, baterias e outros periféricos. As recomendações de manutenção preventiva periódica dos fabricantes devem ser observadas. Obviamente, os próprios fabricantes serão a melhor opção para realizar a manutenção de seus equipamentos, seja pela disponibilidade de peças, seja pela responsabilidade da marca com sua plataforma. Uma boa prática é também identificar onde estão os maiores drenos de energia ou eficiência de seu data center, o que pode estar inclusive nos servidores.

 

Monitoramento de baterias dos UPS

Mesmo com a alta confiabilidade oferecida por equipamentos como UPS, baterias e painéis de distribuição de energia, é recomendável monitorar a atividade dessa infraestrutura e as condições de operação. No caso das baterias, por exemplo, recomenda-se a utilização de monitoramento em cada ponto de contato das baterias para estimar o tempo de vida útil, níveis de carga e conexão. Uma única bateria com qualquer tipo de defeito pode comprometer a empresa toda de operar e isso pode prejudicar sua instalação quando houver uma queda de energia.

 

Acesso e monitoramento remoto de infraestrutura

É recomendado monitorar também todo o estado do data center, desde entrada de energia e operações do grupo gerador, até qualidade da energia de entrada da concessionária, frequência e estado de operação dos UPS, baterias, sensores de temperatura, necessidades de umidificar ou desumidificar o ambiente, além de outros periféricos. Isso vale também para os servidores, switches KVM e rede. Será possível ter uma bola de cristal para prever o que está acontecendo dentro do data center? É possível sim “cultivar uma bola de cristal” sobre esse espaço de missão crítica por natureza. A melhor prática é manter uma monitoração em tempo real e de forma remota sobre todo esse ambiente.

 

Otimização do consumo de energia

Além de monitorar como está o consumo de cada ativo e equipamento de infraestrutura do data center, há boas práticas que podem aumentar o aproveitamento de energia e temperatura dos UPS e os próprios equipamentos de ar condicionado de precisão. Essas práticas incluem, por exemplo, igualar o fluxo de ar e a capacidade de refrigeração de cada uma das máquinas evaporadoras de acordo com a necessidade do site. Isso pode ser feito através de tecnologias de controladores inteligentes que podem se comunicar entre as máquinas. Já no caso de UPS, é recomendável buscar UPS com fator de potência de saída unitário ou o mais próximo disso.

 

Conclusão

A definição de quanto custa um data center parado depende da importância deste ambiente para a continuidade dos negócios da empresa. Imagine, por exemplo, uma empresa que vende a hospedagem de outros softwares online, websites e banco de dados. Seus clientes estão conectados, ao menos, 12 horas por dia trocando informações de maneira segura e criptografada. Se este data center está offline por alguma razão, até mesmo os clientes dos clientes deste data center podem ser afetados. Isso inclui pessoas comuns (nós), que ficaremos frustrados e descontentes com a indisponibilidade de serviços.

Todos esses fatores devem ser levados em consideração ao se mensurar o valor de um data center parado. O valor de um data center parado está diretamente relacionado a quanto o negócio da empresa depende da tecnologia, da mão de obra e da aderência às melhores práticas da gestão deste ambiente. A visibilidade sobre o que se passa no data center precisa ser traduzida em valores tangíveis para o negócio. São as áreas de TI e Telecom falando a linguagem do negócio para enfatizar de forma clara a grande verdade de uma economia digitalizada: sem o data center, o dinheiro não entra, o dinheiro não sai.

 

*Adiel Machado lidera o marketing na Emerson Network Power no Brasil.

 

Comentários

Deixa uma mensagem

%d blogueiros gostam disto: