Qualidade da energia – A necessária integração dos indicadores: exemplos de aplicação

jan, 2015

Edição 107 – Dezembro de 2014
Por José Starosta

Em continuidade às duas colunas publicadas anteriormente, o primeiro exemplo considera a avaliação de um barramento secundário de transformador em instalação industrial com as medições conforme mostram as Figuras 1 e 2.

A medição da cintilação considerou a avaliação do Pst e não o Plt em função do curto período da medição.

 
Figura 1 – Avaliação de indicadores de qualidade de energia (baixa tensão) em planta industrial.

 
Figura 2 – Avaliação da forma de onda em instante de maior distorção de tensão em planta industrial.

A Tabela 1 a seguir apresenta a ponderação (atribuição de conceitos) das medições obtidas nos gráficos das Figuras 1 e 2 e a Figura 3 (obtida da tabela 1) apresenta o resultado final da avaliação. 

Tabela 1 – Ponderação das medições efetuadas
 


Figura 3 – Gráfico “radar” apresentando a avaliação da ponderação final.

Como conclusão desta medição, observa-se a necessidade de corrigir o fator de potência com conceito “2,5”. Neste mesmo projeto, a cintilação poderá ser mitigada e cuidados com ressonância harmônica devem ser tomados (para não elevar a distorção de tensão), melhorando o desempenho global do sistema.

O segundo exemplo considera a avaliação de uma instalação hospitalar com ponto de medição em barramento de 13,2 kV, que também não é coincidente com o PAC.


Figura 4 – Avaliação de indicadores de qualidade de energia (média tensão) em hospital.


Figura 5 – Avaliação da forma de onda em instante de maior distorção de tensão em hospital. 

Tabela 2 – Ponderação das medições efetuadas
 

 
Figura 6 – Gráfico “radar” apresentando a avaliação da ponderação final.

Nota: Em se tratando de instalação hospitalar, a ponderação para o indicador distorção total de tensão poderia ser mais restrita, considerando as recomendações da IEEE 519, contudo, o valor medido de 1% é bastante adequado em ambas as situações não alterando a avaliação. 

Conclusões 

Os indicadores de qualidade de energia em instalações elétricas não podem ser avaliados independentemente, mas sim de forma inter-relacionada. As ações corretivas podem incrementar a ponderação de mais de um indicador simultaneamente, ou de forma inversa a melhoria de uma variável pode incorrer em prejuízo a outras.

Foi apresentado um modelo de avaliação simultânea de diversos indicadores de qualidade de energia, que pode ser adequado às necessidades de diversos tipos de instalações.

A situação desejável considera os indicadores todos acima da ponderação 5 e análise de ações corretivas.

Comentários

Deixa uma mensagem

%d blogueiros gostam disto: