Proteção contra efeitos térmicos

nov, 2015

Edição 117 – Outubro de 2015
Espaço 5410

Esta seção é dedicada a um resumo do que vem sendo discutido nas reuniões de 2015 de revisão da norma ABNT NBR 5410:2004, baseada nas alterações do texto da IEC correspondente e nos pontos apresentados pelos participantes. É importante sempre ressaltar que as citações desta coluna constituem um relato do que foi discutido e que foram aprovadas na reunião plenária pela comissão de estudos, porém, a aprovação como parte oficial do projeto de norma, somente será feita antes de o texto ser enviado para consulta nacional.

Algumas seções que serão complementadas somente ao final dos trabalhos de revisão (por exemplo, referências normativas) e não estão descritas aqui.

O capítulo 5.2, tratando de proteção contra efeitos térmicos, foi rediscutido e sua redação definitiva será elaborada até dezembro de 2015, porém, é importante determinar os pontos já acertados pela Comissão de Estudos, conforme detalhado a seguir.

 

5.2 Proteção contra efeitos térmicos

5.2.1 Generalidades

As pessoas, animais domésticos, bem como os equipamentos e materiais fixos adjacentes a componentes da instalação elétrica, devem ser protegidos contra:

a) Os efeitos térmicos, a combustão ou a degradação dos materiais e o risco de queimadura associado aos produtos elétricos;

b) A propagação de chamas, em caso de risco de incêndio propagado pelas instalações elétricas a outros compartimentos com barreiras dispostas na proximidade; e

c) As deficiências na segurança de funcionamento dos produtos elétricos, incluindo os serviços de segurança.

Nota: a proteção contra as sobrecorrentes é tratada em 5.3.

 

5.2.2 Proteção contra incêndio provocado por produto elétrico

5.2.2.1 Regras gerais

5.2.2.1.1 As pessoas, os animais domésticos e os bens devem ser protegidos contra danos ou ferimentos provocados pelo calor ou fogo que pode ser gerado ou propagado pela instalação elétrica, considerando os requisitos desta norma e as instruções dos fabricantes de equipamentos.

O calor gerado pelos produtos elétricos não pode causar perigo ou efeitos danosos para os materiais fixos vizinhos ou que podem ser previstos na proximidade de tais produtos. Os produtos elétricos não podem apresentar perigo de incêndio para os materiais vizinhos.

Nota: Os danos, os ferimentos ou a ignição podem ser causados por efeitos como:

– Acumulação de calor, radiação de calor, elementos quentes;

– Redução das características de segurança do material elétrico, por exemplo dispositivos de proteção como disjuntores, termostatos, limitadores de temperatura, juntas de estanqueidade na penetração dos cabos e sistemas de cabeamento;

– Sobrecorrente;

– Falhas de isolação e/ou arcos que provoquem perturbações;

– Correntes harmônicas;

– Descargas atmosféricas (ver série IEC 62305);

– Sobretensões (ver NBR 5410-4-44, artigo 443);

– Seleção ou montagem inadequada dos materiais elétricos.

 

5.2.2.1.2 Quando as temperaturas externas dos equipamentos fixos puderem atingir valores suscetíveis de causar risco de incêndio aos materiais vizinhos, o equipamento deve ser:

a) Instalado sobre ou envolvidos por materiais que suportem tais temperaturas e possuam baixa capacidade de condução térmica; ou

b) Separado dos elementos de construção por materiais que suportem tais temperaturas e possuam baixa capacidade de condução térmica; ou

c) Instalado de modo a guardar afastamento suficiente de qualquer material cuja integridade possa ser prejudicada por tais temperaturas e garantir uma segura dissipação de calor, aliado à utilização de materiais de baixa capacidade de condução térmica.

 

5.2.2.1.3 Quando um componente da instalação, fixo ou estacionário, for suscetível de produzir, em operação normal, arcos ou centelhamento, ele deve ser:

d) Totalmente envolvido por material resistente a arco; ou

e) Separado, por materiais resistentes a arcos, de elementos construtivos da edificação sobre os quais os arcos possam ter efeitos térmicos prejudiciais; ou

f) Instalado a uma distância suficiente dos elementos construtivos sobre os quais os arcos possam ter efeitos térmicos prejudiciais, de modo a permitir a segura extinção do arco.

Os materiais resistentes a arcos mencionados devem ser incombustíveis, apresentar baixa capacidade de condução térmica e possuir espessura capaz de assegurar estabilidade mecânica.

 

5.2.2.1.4 Os componentes fixos que produzem concentração de calor devem ser posicionados a uma distância suficiente de qualquer objeto fixo ou elemento de construção, de tal forma que tais objetos ou elementos não sejam submetidos, em condições normais, a uma temperatura perigosa — por exemplo, uma temperatura superior à de sua ignição.

 

5.2.2.1.5 Componentes da instalação que contenham líquidos inflamáveis em volume significativo devem ser objeto de precauções para evitar que, em caso de incêndio, o líquido inflamado, a chama, a fumaça e gases se propaguem para outras partes da edificação.

Nota 1: tais precauções podem ser, por exemplo:

• Construção de um fosso de drenagem, para coletar vazamentos do líquido e assegurar a extinção das chamas, em caso de incêndio;

• Instalação dos componentes numa câmara resistente ao fogo, ventilada apenas por atmosfera externa, e previsão de soleiras, ou outros meios, para evitar que o líquido inflamado se propague para outras partes da edificação.

Nota 2: em geral, considera-se “significativo” um volume igual ou superior a 25 L.

Nota 3: para volumes inferiores a 25 L, é suficiente alguma providência que evite o vazamento do líquido.

Nota 4: é recomendável que a alimentação seja desligada tão logo um incêndio se inicie.

 

5.2.2.1.6 Os materiais de invólucros aplicados a componentes da instalação durante a execução da obra devem suportar a maior temperatura que o componente possa vir a atingir. Só se admitem invólucros de material combustível se forem tomadas medidas preventivas contra o risco de ignição, como revestimento com material incombustível, ou de difícil combustão, e baixa capacidade de condução térmica.


As pessoas, os animais domésticos e os bens devem ser protegidos contra danos ou ferimentos provocados pelo calor ou fogo que pode ser gerado ou propagado pela instalação elétrica, considerando os requisitos desta norma e as instruções dos fabricantes de equipamentos.


* Eduardo Daniel, consultor da MDJ Assessoria e Engenharia Consultiva, superintendente da Certiel Brasil e coordenador da Comissão de Estudos 03:064-001 do CB-3/ABNT, que revisa a norma de instalações de baixa tensão ABNT NBR 5410.

Comentários

Deixa uma mensagem

%d blogueiros gostam disto: