PLC – Qualidade da energia elétrica

mar, 2015

Edição 108 – Janeiro de 2015
Artigo: PLC
Por Haroldo Zattar e Jusiel Fontes*

Desenvolvimento, análise e avaliação de filtros tipo acopladores capacitivos para redes PLC em ambientes de intenso ruído.

A tecnologia Power Line Communication (PLC) vem se desenvolvendo e evoluindo para propiciar serviço de banda larga a residências e locais onde até o momento as demais tecnologias, como ADSL, cable modem, fibra ótica, wireless e satélite, não atendem baseado em custo/benefício. Os adaptadores PLC atualmente estão alcançando taxas de até 200 Mbps e com qualidade de serviço. Com a grande evolução da tecnologia dos circuitos integrados, brevemente, os adaptadores estarão operando com taxas de até 500 Mbps. A transmissão de dados e o acesso à internet via rede elétrica não estão entrando no mercado brasileiro para competir com as demais tecnologias e sim para somar, visando ampliar o número de usuários que poderão ter acesso à rede de banda larga haja visto que menos de 5% da população brasileira tem disponível acesso à internet com alta velocidade nas residências e grande parte da população ainda não tem acesso fácil à internet mesmo por meio de tablets e smartphones.

Desde 2010 vem sendo implantado um programa nacional, visando ampliar o acesso em banda larga fixa e móvel de todos os cidadãos, inclusive das áreas rurais e remotas, não apenas no que diz respeito à internet, mas também em ampliar o uso de Tecnologias de Informação e Comunicações (TICS) nas áreas de educação e saúde e nos serviços de governo eletrônico. A finalidade é facilitar o uso pela população dos serviços prestados pelo Estado, promover a inclusão social, desenvolver e desconcentrar oportunidades, ampliar a competitividade brasileira, reduzir as desigualdades sociais e regionais, estimular a competição entre as empresas do setor de TICs e aumentar os investimentos, com vistas a criar novas opções de serviços ao consumidor a preços acessíveis e promover a geração de emprego e renda. A tecnologia PLC está apta para atender a todas estas aplicações citadas e soma-se a isso o fato de que, em agosto de 2009, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a utilização das instalações de distribuição de energia elétrica para a transmissão dos serviços de internet banda larga-PLC. No mesmo mês, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou a liberação para a comercialização de internet banda larga via rede elétrica.

Considerando que em um futuro breve muitas residências, escritórios e salas comerciais poderão estar utilizando adaptadores PLC para acesso à banda larga e tendo como fato que na rede elétrica existe muito ruído proveniente principalmente de eletrodomésticos, equipamentos e ferramentas que produzem alta incidência de ruídos, gerando uma grande degradação na eficiência da rede para transmissão de dados e acesso à internet.

Desse modo, a proposta desse artigo é apresentar o resultado da avaliação de desempenho dessa tecnologia sobre a influência de diversos tipos de ruídos, utilizando filtros do tipo acopladores capacitivos desenvolvidos no laboratório de Sistemas de Comunicação do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e comparar os resultados obtidos com um filtro capacitivo comercial que foi importado por não encontrar o equipamento disponível no Brasil e na qual deve servir de parâmetro de qualidade.

Tecnologia PLC

O PLC utiliza a rede de distribuição de energia elétrica como meio de transporte dos sinais de telecomunicações para acesso à internet em banda larga, conexões de voz, aplicações de vídeo, imagem e dados. Como a rede elétrica está presente em praticamente todos os lugares, não há necessidade de obras para instalação de cabos adicionais para a prestação de serviços de telecomunicações. Com a tecnologia PLC a própria tomada elétrica serve para comunicação com a internet.

O PLC funciona a partir de um equipamento instalado em um ponto próximo ao transformador de energia elétrica,em que o sinal PLC é injetado nos cabos de energia elétrica. Desse modo, todas as residências que estiverem ligadas no circuito elétrico deste transformador estarão recebendo o sinal PLC em todas as tomadas da rede local. Outro equipamento chamado de adaptador PLC é instalado em qualquer tomada elétrica na residência do usuário para receber o sinal transmitido pela rede PLC e disponibilizá-lo para ligar na placa de rede do computador via cabo UTP categoria 5, no telefone ou no vídeo, dependendo do serviço solicitado. A Figura 1 ilustra o princípio de instalação da rede PLC.


Figura 1 – Acesso à internet via rede elétrica.

Como vantagens da tecnologia PLC podem ser citadas a ampla infraestrutura elétrica disponível, a facilidade de transmissão ao longo de toda a malha de energia elétrica, a transmissão eficaz de dados, vídeo e voz simultaneamente e a grande mobilidade na conexão, ao alcance de qualquer tomada de energia na rede PLC.

Devido à alta velocidade de transmissão, que atualmente pode atingir 200 Mbps, o PLC tem capacidade de fornecer uma ampla gama de serviços como internet em banda larga, voz sobre IP; videoconferência; vídeo segurança; telemedicina; educação à distância; automação residencial e comercial; gerenciamento do fornecimento de energia e água.

Como qualquer tecnologia, a rede PLC apresenta  que devem ser superados mediante realização de pesquisas com relação à incidência de alto nível de ruído, atenuação nos cabos, desvanecimento seletivo, atrasos (delay), múltiplos caminhos e compatibilidade eletromagnética. O efeito do ruído é o problema mais significante para a transmissão de dados em uma rede PLC conforme abordado a seguir.

Estudo do ruído

Ruídos são sinais estranhos e não desejados em um meio de comunicação distorcendo os sinais de informações. O excesso de ruído pode impedir uma rede de funcionar ou reduzir drasticamente a sua velocidade. O ruído consiste em uma alteraç

ão de alguma das características do sinal transmitido por efeito de outro sinal exterior ao sistema de transmissão. Estes sinais indesejados são de natureza aleatória, não sendo possível prever o seu valor em um instante de tempo futuro.  O ruído no canal de transmissão varia fortemente em função da frequência, da carga, do período do dia e da localização geográfica do transmissor até o receptor. O nível de potência do ruído varia de acordo com a distância entre a fonte de ruído e o receptor. Na maioria dos casos, o ruído medido está abaixo de 40 dB (W/KHz). Entretanto, se o receptor estiver muito distante do transmissor e bem próximo da fonte geradora de ruído, ocasionará grande perda de dados durante a transmissão. A medição do ruído pode ser realizada por meio de medida direta na rede de energia elétrica utilizando o analisador de espectro ou o osciloscópio após atenuar e filtrar o sinal emitido pelo gerador de ruído. A análise espectral e a medição no domínio do tempo do ruído impulsivo possibilitam realizar o cálculo da Densidade Espectral de Potência (Power Spectral Density – PSD), bem como a verificação de amplitude, largura do impulso e medida de tempo nas redes PLC.

Utilizando-se de métodos estatísticos, as características do ruído como autocorrelação, Função Densidade de Probabilidade (PDF) e coeficientes de correlação podem ser analisados. Para ruídos de fundo, utiliza-se análise estatística com modelo no domínio da frequência. Para o ruído impulsivo, o modelo pode ser realizado no domínio do tempo e da frequência. No domínio da frequência, o modelo do erro impulsivo é realizado com base apenas em medições. No domínio do tempo, o modelo pode ser caracterizado por três parâmetros, como amplitude do pulso, largura de pulso e tempo. A Figura 2 exemplifica as formas em que se pode  medir o sinal PLC e o ruído em um canal de transmissão.


Figura 2 – Equipamentos para medição do sinal em um canal PLC.

Para medir o ruído do sinal de um eletrodoméstico, primeiro mede-se o ruído de fundo sem ter o equipamento conectado na energia elétrica. Em seguida, mede-se o sinal de ruído fornecido pelo equipamento ligado na rede. Por último, subtrai-se o valor do sinal medido com o equipamento ligado menos o valor lido do ruído de fundo.

O resultado obtido é o valor do sinal de ruído fornecido exclusivamente pelo equipamento ligado à rede elétrica. As principais fontes de ruídos são os motores com escovas, fontes chaveadas e reatores para iluminação. Os dimmers e as luzes fluorescentes criam ruído impulsivo relacionado ao ciclo de potência na faixa de 50 Hz a 60 Hz. Outras fontes de ruído são as ondas de RF (Radiofrequência), principalmente as ondas curtas e radioamadores. Estes equipamentos introduzem componentes de alta frequência na rede, caracterizando as emissões conduzidas.

Uma das formas de ruído mais utilizadas para modelar um sistema de transmissão é o Ruído Branco Aditivo Gaussiano (AWGN). Ao contrário de outros canais de comunicação, o canal PLC não pode ser representado pela presença dominante de ruído AWGN [9]. Desta forma, uma análise mais apurada das perturbações presentes no ambiente PLC é um pré-requisito inevitável para que sejam levantados modelos caracterizados pela presença de ruído de faixa estreita e diferentes formas de ruído impulsivo.

Em particular, este segundo componente responde pela significante variação temporal do canal. Existem, ao todo, cinco classes de ruído que caracterizam o canal PLC, são eles: ruído colorido de fundo, ruído de faixa estreita, ruído impulsivo periódico, ruído impulsivo periódico – síncrono com a frequência da rede e ruído impulsivo assíncrono. A modelagem dos ruídos presentes nos canais PLC para aplicações last miles é a seguinte:

Ruídos coloridos de fundo: tem uma potência espectral relativamente baixa e variante com a frequência. É normalmente formado pela somatória de diferentes fontes de ruídos com baixa potência. A densidade espectral de potência desta componente de ruído é relativamente plana, decrescendo com o aumento da frequência. Embora apresente um comportamento estocástico, o estudo realizado mostra que a PSD do ruído colorido de fundo varia muito lentamente quando comparada a taxas de alguns Kbps. Ela permanece muito próxima de um valor médio por um intervalo de vários segundos e até mesmo alguns minutos durante o dia, podendo permanecer neste estado estacionário por até algumas horas durante a noite.

Os principais tipos de ruídos coloridos de fundo são o ruído branco, rosa, azul, violeta, cinza, laranja, verde, preto e vermelho. Os motores universais são exemplos de aplicações que produzem ruído colorido de fundo na frequência acima de 50 KHz. Como exemplo de equipamentos pode-se citar aspiradores de pó, batedeira, liquidificador, máquinas de costura, lixadeira, furadeira elétrica e máquinas de serrar. Estes equipamentos apresentam uma medição de amplitude de tensão e frequência aleatória, que provocam sinais de radiofrequência (RF).

Ruídos em banda estreita: são caracterizados por sinais senoidais modulados em amplitude e causados, principalmente, pela indução nos fios da rede elétrica dos sinais de rádio na faixa até 20 MHz e pela peculiar perturbação gerada pelas harmônicas de maior ordem na frequência de deflexão horizontal dos aparelhos de TV (15,625 KHz PAL-Europa e 15,75 KHz NTSC-EUA). Embora concentrado em faixas estreitas, este tipo de ruído apresenta uma alta PSD tendo, porém, suas maiores contribuições na faixa inferior aos 500 kHz. O valor medido para o ruído de banda estreita fica na faixa de 40 dB.

Ruídos impulsivos periódicos e assíncronos à frequência fundamental: têm taxa de repetição, na maioria dos casos, entre 50 KHz e 200 KHz, resultando em um espectro com linhas discretas e espaçamento espectral de acordo com a taxa de repetição. É originado por transientes na rede. Este tipo de ruído apresenta curtas durações (10 a 100 µs) podendo alcançar picos de até 2 KV, ocorrendo de forma aleatória. Ocorre principalmente pelas fontes de alimentação chaveadas.

Ruídos impulsivos periódicos e sincronizados à frequência fundamental: estes impulsos têm uma taxa de repetição entr

e 50 Hz e 100 Hz e são sincronizados à frequência fundamental. São de curta duração (alguns microssegundos) e têm uma densidade espectral de potência decrescente com a frequência causada por fontes chaveadas, máquinas fotocopiadoras e os dimmers. Isso ocorre devido à comutação de diodos retificadores e TRIACs, operando de forma síncrona com a rede. Estes equipamentos geram forte ruído impulsivo na rede elétrica na faixa de duas vezes a frequência da rede e ocorre a cada ½ ciclo AC.

Ruídos impulsivos assíncronos: é causado principalmente pelos transitórios característicos de chaveamento na rede elétrica e o seu tempo de duração é da ordem de alguns microssegundos até alguns milissegundos, com tempo de ocorrência aleatória. A PSD pode alcançar valores 50 dB acima dos ruídos de fundo.  É altamente variante no tempo e juntamente com o ruído anterior pode causar erros em alguns bits ou em uma rajada de transmissão. Desse modo, é o pior tipo de ruído em uma rede PLC.

A Figura 3 apresenta o sinal sendo transmitido com a representação dos cinco tipos de ruídos abordados nesta seção.


Figura 3 – Sinais de ruído injetado na transmissão do sinal.

Devido aos problemas causados pelo ruído na rede PLC é necessário utilizar adaptadores PLC com a mais adequada técnica de multiplexação e modulação bem como possuir mecanismos sofisticados para detecção e correção de erros. Para a avaliação do desempenho da rede indoor, os adaptadores PLC utilizados operam com a tecnologia OFDM para multiplexação e modulação do sinal. Além disso, é desejável a utilização de filtros capacitivos para reduzir o sinal de ruído na rede PLC.

Equipamentos da rede PLC

Para a instalação de uma rede PLC, são necessários equipamentos específicos, softwares e sistema para gerenciamento de serviço. Os principais equipamentos utilizados são os adaptadores PLC, a estação base PLC, os repetidores de sinais, os filtros de bloqueio de ruídos e acopladores de fase. A interligação de um adaptador PLC com o computador pode ser realizada por cabo UTP categoria 5, cabo USB ou mesmo utilizando cabo coaxial. O adaptador PLC implementa todas as funções da camada física, incluindo modulação e codificação. A segunda camada é a camada de enlace que é responsável por detectar e opcionalmente corrigir erros que por ventura ocorram no nível físico. Na camada de enlace encontram-se as subcamadas de Controle de Acesso ao Meio (Medium Access Control – MAC) e Controle Lógico do Enlace (Logical Link Control – LLC).

A estação base PLC é responsável pelo gerenciamento e controle de acesso da rede PLC e pela interface com modems ADSL e roteadores wireless. O filtro PLC tem a função de bloquear os ruídos na rede elétrica sem alterar as características de frequência do sinal de entrada. De modo geral, o filtro tem a função de bloquear todos os sinais indesejados como, por exemplo, os ruídos provocados por fontes de alimentação, liquidificadores, secadores de cabelo, barbeador elétrico e outros eletrodomésticos. Estes equipamentos geram ruído excessivo em altas frequências. Desse modo, o filtro atua na faixa de frequência de 100 KHz – 100 MHz, com nível de atenuação de ruído acima de 50 dB.

Características do adaptador PLC

Neste artigo, os adaptadores PLC utilizados foram de um modelo com conexão Ethernet e filtros de ruído PLC. Este modelo de adaptador PLC suporta distribuição de vídeo, VoIp e Internet em banda larga via interconexão com modem ADSL. Equipamentos como computadores, videogames, câmeras IP e impressoras podem ser conectados ao adaptador PLC. As principais características do adaptador PLC são:

  • Interface fast Ethernet 10/100 Mbps;
  • Taxa de transmissão de 200 Mbps a distância máxima de 300 m;
  • Possibilidade para interligação a repetidores no caso de distâncias superiores a 300 m;
  • Protocolo CSMA/CARP (Carrier sense Multiple Access with Collision Avoidance and Resolution Using Priorities);
  • Multiplexação por divisão de frequência ortogonal (Orthogonal Frequency Division Multiplex – OFDM);
  • Oito níveis de prioridade de enfileiramento dos pacotes com classificação de prioridade;
  • Arquitetura TCP/IP;
  • Faixa de frequência de 2 MHz – 34 MHz quando o acesso da rede é detectado e de 13.3 MHz até 33.3 MHz durante a transmissão de dados pela rede elétrica.

Configuração da rede PLC

De modo a avaliar o desempenho da rede PLC, utilizou-se uma rede local (Local Area Network-LAN) conforme ilustrado na Figura 4(a). A Figura 5 representa a instalação da rede PLC utilizando o filtro PLC que bloqueia os ruídos provenientes de eletrodomésticos para dentro da rede PLC. A primeira análise para avaliação do desempenho da rede PLC foi realizado utilizando a configuração da rede local apresentada na Figura 5, de modo a verificar e certificar que o filtro PLC realmente bloqueia o ruído fornecido pelos eletrodomésticos na rede elétrica.

Para a análise do desempenho da rede PLC, foram utilizados dois computadores com 2,8 GHz e memória de 2 GB de RAM. A distância utilizada entre os adaptadores PLC foi de 5 m. A distância entre cada computador e o adaptador PLC foi de 2 m. Todos os equipamentos estão ligados na rede elétrica de 127 V AC 60 Hz.


Figura 4 – Configuração de uma rede local PLC: (a) com filtro (b) sem filtro isolador da rede PLC.

O tamanho da janela TCP utilizada foi de 512 KB. Os computadores utilizaram o sistema operacional Windows Seven Professional. Para realizar as medidas de desempenho na rede PLC foram utilizados três arquivos do tipo ISO (imagem de CD) de 3 GB cada. Os três arquivos foram utilizados para transmissão simultânea entre os computadores. Para medir a eficiência da rede PLC, foi utilizado um software analisador de rede.


Figura 5 – Configuração da rede PLC com aplicação de ruído sobre o filtro.

Avaliaç&

atilde;o de desempenho

Neste artigo, foi realizada primeiro a avaliação do desempenho da rede PLC na melhor condição possível utilizando um filtro PLC comercial importado para atuar como “bloqueador” de ruído, de modo a reduzir ao máximo a rede PLC de interferências externas. Em seguida, foi aplicado na rede PLC vários tipos de ruídos provenientes de alguns eletrodomésticos para avaliar o desempenho da rede sobre a influência de excessivos ruídos.

Análise de desempenho da rede PLC na melhor condição possível

A avaliação de desempenho da rede PLC na transferência de dados tipo FTP (File Transfer Protocol) na melhor condição possível foi baseado na topologia da Figura 4(a) sem a presença de qualquer fonte de ruído e utilizando o filtro PLC comercial. A Figura 6 apresenta o resultado obtido na rede PLC.


Figura 6 – Vazão na rede PLC sem a presença de ruído e com filtro.

Analisando o gráfico da Figura 6 é possível ver que a vazão média na rede alcançada foi de 93,18 Mbps e a vazão máxima obtida foi de 95,71 Mbps. Desse modo, a eficiência da rede para a transmissão dos três arquivos foi de 93,18%. A largura de banda do canal é de até 200 Mbps, entretanto, a interligação do adaptador PLC com o computador é de 100 Mbps, a vazão máxima possível na condição ideal é de 100 Mbps. Esta alta taxa de transmissão ocorre porque o filtro é realmente capaz de reduzir com bastante qualidade as interferências externas provocadas pelos eletrodomésticos. O ideal seria o filtro garantir que a taxa média de transmissão alcançasse valores bem próximo de 100% de eficiência. O circuito elétrico do filtro comercial está apresentado na Figura 7(a). Em seguida, foram realizadas as mesmas medidas utilizando os filtros desenvolvidos no laboratório conforme os circuitos elétricos mostrados nas Figuras 7(b), 7(c) e 7(d).


Figura 7 – Circuito elétrico dos filtros: (a) comercial, (b) RC, (c) LC e (d) LC2.

Para cada um desses filtros foi realizada a avaliação da faixa de frequência de operação utilizando a ferramenta Multisim na versão demo (NI Circuit Design Suite 13.0.1 Education). As Figuras 8, 9 e 10 apresentam os resultados das simulações realizadas em cada filtro.


Figura 8 – RC.     Figura 9 – LC.  Figura 10 – LC2.

Em seguida conectaram-se à rede PLC alguns eletrodomésticos como batedeira, TV, liquidificador, barbeador, secador de cabelo, dimmer, lâmpada eletrônica e fonte chaveada. A configuração da rede PLC utilizada foi o da Figura 4(b), sem a presença do filtro comercial para bloquear o ruído fornecido diretamente pelos eletrodomésticos na rede PLC e, desse modo, identificar as maiores fontes de ruído. Utilizou-se apenas o filtro para separar a rede PLC da rede elétrica externa. O resultado obtido da eficiência é mostrado na Figura 11.


Figura 11 – Eficiência da rede PLC considerando a presença de ruídos dos eletrodomésticos e sem filtro.

Analisando o gráfico da Figura 11, é possível verificar que o uso de TV em conjunto com a lâmpada eletrônica na rede elétrica com o PLC fornece baixa taxa de ruído e desse modo a eficiência na rede alcança índices próximos da melhor condição possível em que não ocorreram interferências de eletrodomésticos. Enquanto a eficiência da rede na melhor condição possível foi de 95,71%, o resultado da eficiência na presença da TV em conjunto com a lâmpada eletrônica alcançou um valor médio de 93,09%. Desse modo, conclui-se que estes dois eletrodomésticos não prejudicam a velocidade de transmissão dos arquivos entre os computadores. Na Figura 11, observa-se que todos os demais eletrodomésticos afetam diretamente a eficiência da rede PLC pela alta incidência de ruído na rede. O pior resultado foi alcançado pelo liquidificador, em que a eficiência na rede atingiu uma eficiência menor que 26%. Para esta situação é realmente obrigatório utilizar o filtro PLC para proteger a rede PLC, evitando uma redução drástica da eficiência da rede LAN PLC.

A análise realizada com o liquidificador, batedeira, barbeador e fonte chaveada de PC comprova que eles afetam o desempenho da rede PLC, fornecendo eficiência inferior a 40%. Então para estes eletrodomésticos é necessária a utilização do filtro PLC para evitar a ocorrência de uma baixa vazão na rede.

Quando o dimmer e o secador de cabelos foram ligados, a eficiência na rede alcançou valores próximos de 61% e 47%, respectivamente.

Estes resultados comprovam que, quando existe a alta incidência de interferência, é realmente necessário utilizar filtro para reduzir ao máximo a incidência de ruído para dentro da rede PLC.

Avaliação da rede PLC em função da aplicação dos filtros direto na fonte de ruído

O objetivo desse artigo é justamente avaliar os filtros capacitivos desenvolvidos no laboratório de Sistemas de Comunicação. Após a avaliação dos resultados obtidos na Figura 11 constatou-se que o liquidificador, barbeador, batedeira e fonte chaveada são as maiores fontes de ruído, respectivamente, e desse modo foram selecionadas para serem aplicadas nos filtros desenvolvidos e compará-los com os resultados obtidos do filtro comercial. Os resultados dessas medições realizadas estão ilustrados nas Figuras 12, 13, 14 e 15.


Figura 12 – Liquidificador.


Figura 13 – Barbeador.


Figura 14 – Batedeira.


Figura 15 – Fonte chaveada.

Observando as Figuras 12, 13, 14 e 15, verifica-se que os filtros desenvolvidos no laboratório tiveram resultados altamente satisfatório comparado ao filtro comercial com exceção do filtro RC que teve eficiência de 75% na presença do ruído fornecido pela batedeira e pelo barbeador e aproximadamente 83% de eficiência para o filtro LC na presença de ruído fornecido pelo liquidificador. Para o filtro RC mais simples, o inconveniente é a necessidade de utilizar um resistor de alta potência o que compromete o tamanho do filtro a ser confeccionado. Para os demais filtros desenvolvidos, todos podem ser construídos em gabinetes bem pequenos, propiciando um custo/desempenho muito satisfatório e com valor comercial inferior a 10% do filtro PLC importado. Portanto, os filtros desenvolvidos podem ser aplicados em qualquer tomada de uma residência ou escritório. O benefício gerado pela aplicação de filtros capacitivos com circuitos elétricos simples garante que a tecnologia PLC para redes locais seja realmente viável reduzindo a influência do ruído sobre a rede PLC. O filtro, atuando na redução do ruído e garantindo uma eficiência na rede PLC superior a 80%, é considerado satisfatório, embora o ideal seja garantir 100% de eficiência na rede. Desse modo, novos projetos de filtros poderão ser desenvolvidos visando atingir eficiência bem próxima dos 100%.

Conclusões

Este artigo apresentou a análise do desempenho da rede PLC indoor, considerando a melhor condição possível utilizando um filtro acoplador capacitivo comercial importado por não dispor de filtro PLC nacional. Em seguida avaliou-se a eficiência da rede PLC, considerando a utilização dos filtros desenvolvidos no laboratório de Sistemas de Comunicação da UFMT. Dando sequência ao trabalho de pesquisa, foi realizada a avaliação de desempenho da rede na presença de ruído fornecido por diversos eletrodomésticos e comparado o resultado obtido com o filtro comercial e os filtros desenvolvidos.  Para qualquer situação, foi constatado que a TV e a lâmpada eletrônica, ligadas em conjunto, não prejudicam a eficiência da rede PLC. O pior desempenho na rede PLC ocorreu quando o liquidificador foi aplicado diretamente na rede elétrica.

Para uma rede PLC constatou-se que a forte incidência de ruído na rede elétrica provoca uma redução no desempenho da rede PLC. Dessa maneira, para evitar a ocorrência de uma baixa taxa de transmissão, é aconselhável a utilização de filtros para reduzir ao máximo a entrada de ruídos para dentro da rede PLC. Assim, observou-se que os filtros desenvolvidos no laboratório apresentaram resultados altamente satisfatórios para os circuitos elétricos desenvolvidos, que são simples com poucos componentes eletrônicos e confeccionado em um gabinete bem pequeno a ser ligado diretamente na tomada de energia, sendo aptos a serem utilizados em escala comercial.

 


Referências bibliográficas

  • Decreto nº 7.175/2010, Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7175.htm>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • ANEEL, Resolução nº 527, de 8 de abril de 2009. Disponível em: <http://legislacao.anatel.gov.br/resolucoes/2009/101-resolucao-527>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • ANATEL, Resolução Normativa n° 375, de 25 de agosto de 2009. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/cedoc/ren2009375.pdf>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • PAULIDOV, N.; HAN VINCK, A. J. Power line communications: state of the art and future trends. IEEE Communications Magazine, 2002.
  • FERREIRA, H. C.; GROVÉ, H. M. Power line communicatios: an overview. IEEE, 1996.
  • PHILIPPS, H. Performance measurements of power line channels at high frequencies. International Symposium on Power Line Communications and its Applications, 1998.
  • MA, Y. H.; SO, P. L. Performance analysis of OFDM systems for broadband power  line communications under impulsive noise and multipath effects. IEEE Transaction on Power Delivery, v. 20, 2005.
  • SUTTERLIN, P.; DOWNEY, W. A power line communication tutorial – challenges and technologies, Echelon Corporation, USA.
  • GOTZ, M.; RAPP, M.; DOSTERT, K. Power line channel characteristics and their effect on communication system design. IEEE Communication Magazine, v. 42, p. 78-86, 2004.
  • HRASNICA, H.; HAIDINE, A.; LEHNERT, R. Broadband power line communications network, John Wiley & Sons, 2004.
  • SARTENAER, T. Multiuser communications over frequency selective wired channels and applications to the power line access network. 2004. 317f. Dissertação  (Tese de doutorado).
  • SUGIMOTO, K. Performance improvement of OFDM system with consideration on the characteristics of power line noise. IEICE Trans Fundamentals, v. E85-A, 2002.
  • LANGTON, C. Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM), 2006. Disponível em:  <www.complextoreal.com>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • PINTO, E.; ALBUQUERQUE, C. A técnica de transmissão OFDM. Revista Telecomunicações, v.  1, 2002.
  • LIN, Y.; HANIPH A. A power line communication network infrastructure for the smart   home. IEEE Wireless Communications, 2002.
  • AV 200 Power Line Ethernet Adapter. Guia do Usuário. Disponível em: <www.corinex.com>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • Agilent Network Analyzer Software Standard Edition – Free (J6838A), 2014. Disponível em:         <http://www.jdsu.com>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • MULTISIM, NI Circuit Design Suite 13.0.1 Education, 2014. Disponível em: <http://www.ni.com/multisim/pt/>. Acesso em: 19 jan. 2015.
  • ZATTAR, H.; CORREA, P.; CARRIJO, G. Analysis, Measurement and Evaluation of Power Line Communication Network Applied for popular Houses, IEEE (Revista IEEE America Latina, v. 10).

*Haroldo Benedito Tadeu Zattar é professor doutor em engenharia de telecomunicações do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Jusiel P Fontes

é graduando no curso de engenharia elétrica da UFMT.


 

 

Comentários

Deixe uma mensagem