Os cuidados com a qualidade de energia e os Leds – Parte 2

abr, 2017

Há uma preocupação quanto ao comportamento do fator de potência das lâmpadas de Led acima de 5 W (maior que 70%), de 25 W e tubulares (maior que 92%), contudo, a resolução Inmetro nº 389/2014 é omissa com relação à característica do fator de potência (indutivo ou capacitivo).

Desta omissão pode-se entender que o fator de potência deve estar entre os limites:

  • -0,7<FP<0,7 para P>5W;
  • -0,92<FP<0,92 para P>25W e tubulares.

*FP negativo indicado é relacionado à característica capacitiva.

Medições efetuadas: foram efetuadas medições para avaliação de comportamento de duas lâmpadas (bulbo e tubular). Durante o ensaio, a tensão de alimentação foi sendo variada, uma vez que as lâmpadas testadas são apresentadas com faixa larga de tensão de alimentação (bivolt).

Medições efetuadas em lâmpada tipo bulbo de 6 W apresentaram os resultados de ensaio realizado:

Figura 1 – Variação da tensão entre 240 V e 90 V; variação de corrente entre 60 mA e 100 mA; potência ativa entre 6 W e 5 W; e potência reativa entre -12 var e -8 var.

Figura 2 – Fator de potência entre -5% e 60% (característica capacitiva).

Figura 3 – Distorção harmônica de corrente entre 200% e 80%.

Ensaio em lâmpada tubular de 18 W

Figura 4 – variação do fator de potência entre 60% e 95% com característica capacitiva.

Figura 5 – Distorção total de corrente entre 25% e 140%.

Conclusões

  • Ensaios da lâmpada de 6 W não atenderam às expectativas de comportamento de fator de potência. Os resultados de distorção de corrente, apesar de não serem exigidos pelo Inmetro, apresentam características muito ruins;
  • Ensaios da lâmpada tubular apresentam variação súbita do fator de potência e distorção de corrente em determinado intervalo de tensão entre 210 V e 220 V. Neste intervalo, os valores são também bastante ruins.

De uma forma geral, as preocupações com o comportamento geral das instalações elétricas, quando lâmpadas como as ensaiadas estiverem presentes em volume significativo, são:

  • Aumento da distorção de tensão consequente da alta distorção de corrente da carga;
  • Cuidados com sobretensões devido à característica capacitiva das cargas;
  • Incompatibilidade com grupos moto-geradores;
  • Cuidados com surtos de tensão na alimentação, uma vez que os Leds são cargas eletrônicas sensíveis;
  • Cuidados com índice de reprodução de cor e temperatura de cor;
  • Pontos positivos: eficiência energética, isenção de mercúrio, maior vida útil, equipamentos leves e compactos, menor consumo de sistemas de ar condicionado onde os Leds estão instalados.

Nota:

Esclarecemos que o termo “FLC”, mencionado na primeira parte deste artigo, é comumente empregado no mercado como uma designação abreviada de lâmpada fluorescente compacta e não tem qualquer relação com a empresa FLC.

Comentários

Deixe uma mensagem