Novos requisitos para classificação de áreas contendo poeiras combustíveis – Parte II

ago, 2016

Grupos de poeiras combustíveis (Grupo III)

Os equipamentos “Ex” para instalação em minas subterrâneas de carvão devem ser adequados para o Grupo I. Os equipamentos “Ex” para instalação em áreas contendo gases ou líquidos inflamáveis devem ser adequados para o Grupo II. Os equipamentos “Ex” para instalação em áreas classificadas contendo poeiras combustíveis devem ser adequados para o Grupo III.

Os equipamentos “Ex” do Grupo III são destinados para instalação ou utilização em locais com uma atmosfera explosiva de poeiras diferentes daquelas encontradas em minas suscetíveis a grisu. Estes equipamentos “Ex” são subdivididos de acordo com a natureza da atmosfera explosiva de poeira para o qual ele é destinado.

O Grupo III possui as seguintes subdivisões: Grupo IIIA (Fibras combustíveis), Grupo IIIB (Poeiras não condutivas) e Grupo IIIC (Poeiras condutivas).

Podem ser citados como exemplo de produtos classificados no Grupo IIIA as fibras combustíveis, tais como trigo, soja, cevada, cacau, milho, leite, algodão, linho, juta, serragem, grãos, materiais plásticos e produtos químicos em geral, como o enxofre.

Podem ser citados como exemplo de produtos classificados no Grupo IIIB poeiras combustíveis não condutivas com resistividade acima de 103 ohm.m, tais como produtos com base no carbono, como, por exemplo, poeiras de carvão vegetal, carvão mineral, coque de petróleo e negro de fumo.

Podem ser citados como exemplos de produtos classificados no Grupo IIIC poeiras combustíveis condutivas com resistividade abaixo de 103 ohm.m, tais como poeiras metálicas de alumínio, magnésio e suas ligas. Poeiras condutivas são poeiras que podem apresentar riscos de ocasionar curtos-circuitos, dependendo do nível de tensão presente nos equipamentos elétricos.

Os equipamentos “Ex” marcados IIIB são também adequados para aplicações que requerem equipamentos “Ex” do Grupo IIIA. Similarmente, equipamentos “Ex” marcados IIIC são também adequados para aplicações que requerem equipamentos “Ex” do Grupo IIIA ou IIIB.

Como a temperatura de ignição das poeiras combustíveis varia grandemente com a variação da granulometria e do teor de umidade, os valores indicados de temperatura de ignição podem ser citados apenas como valores de referência. Dependendo da fonte de consulta, são apresentados diversos resultados, influenciados também pelo método de ensaio em laboratório adotado para esta medição. Os métodos e procedimentos para a determinação da temperatura de ignição das poeiras combustíveis são indicados na norma ISO/IEC 80079-20-2 –Explosive atmospheres – Part 20-2: Material characteristics – Combustible dusts test methods, publicada em 02/2016.

Esta documentação de classificação de áreas tem também por finalidade mapear e determinar as extensões e a abrangência das áreas que podem conter misturas explosivas e, consequentemente, permitir a posterior especificação adequada de equipamentos e sistemas “Ex” a serem instalados ou utilizados para cada tipo de área classificada mapeada por estes estudos, levando em conta as respectivas zonas, grupos, classes de temperatura ou, se indicados, o EPL (Equipment Protection Level) requerido dos equipamentos “Ex”.

Desta forma, a documentação de classificação de áreas constitui a base para a especificação técnica dos equipamentos “Ex” a serem utilizados nestas áreas de risco de explosão, tanto em casos de projetos novos, como nos casos de atividades de manutenção ou reparos, possibilitando a especificação do EPL requerido para cada equipamento “Ex”, dependendo do local da instalação (Da, Db ou Dc), bem como o tipo de proteção a ser utilizado nos equipamentos “Ex”, como Ex “i”, Ex “p”, Ex “op”, Ex “t”, Ex “m”, Ex “c”, Ex “b”, Ex “k” ou Ex “s”.

Ao se instalar equipamentos ou sistemas elétricos, de instrumentação, de automação, de telecomunicações ou mecânicos em uma planta de processamento onde possam estar presentes atmosferas explosivas, os tipos de proteção dos equipamentos “Ex” e o os níveis de proteção dos equipamentos “Ex” (EPL) proporcionados dependem do risco potencial envolvido, identificado e mapeado nesta documentação de classificação de áreas.

A documentação de classificação de áreas deve ser também frequentemente consultada para a execução das atividades rotineiras de emissão de Permissões de Trabalho, onde é verificado o tipo de classificação das áreas dos locais da realização dos trabalhos, sendo determinados os requisitos de segurança aplicáveis.

Esta documentação de classificação de áreas deve também ser utilizada durante as atividades de inspeções periódicas (nas instalações “Ex”, a serem realizadas no intervalo máximo a cada três anos). Tendo como base as informações indicadas na documentação de classificação de áreas, é necessário verificar se os equipamentos elétricos, eletrônicos, de automação, de telecomunicações ou mecânicos “Ex” encontram-se adequadamente instalados, de acordo com os requisitos de zona, grupo, classe de temperatura e EPL dos respectivos locais de instalação.

Os dados resumidos da nova edição de 2016 da ABNT NBR IEC 60079-10-2 são apresentados no site da ABNT Catálogo:http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=357345

Comentários

Deixe uma mensagem