Novos requisitos para classificação de áreas contendo gases inflamáveis – Parte 1

fev, 2016

Edição 120 – Janeiro de 2016
Por Roberval Bulgarelli

Áreas industriais que apresentem o risco de possuir atmosferas explosivas necessitam passar por avaliações de risco de forma a determinar as extensões e as características das misturas de gases inflamáveis (ou de poeiras combustíveis) que podem estar presentes nas instalações de processo.

Estas áreas de risco, que apresentam a possibilidade de presença de atmosferas explosivas, são denominadas áreas classificadas.

Tais instalações industriais requerem a instalação de equipamentos elétricos, de instrumentação, de automação, de telecomunicações ou mecânicos com características especiais de proteção (denominados tipos de proteção “Ex”) que os tornem incapazes de se tornar uma fonte de ignição para uma atmosfera explosiva que possa estar presente no ambiente.

Tais instalações requerem também a aplicação de procedimentos específicos de projeto, montagem, inspeção, manutenção, reparos e de gestão de segurança, de forma a garantir a segurança ao longo do ciclo total de vida destas instalações “Ex”.

Podem ser citados como exemplos de instalações industriais que possuem áreas classificadas:

  • Plataformas offshore para prospecção e produção de petróleo e gás;
  • Refinarias de petróleo;
  • Terminais de armazenamento de petróleo e derivados;
  • Gasodutos e oleodutos;
  • Indústrias químicas e petroquímicas, incluindo tintas, vernizes, cosméticos, plásticos e resinas;
  • Indústrias farmacêuticas;
  • Indústrias de açúcar e álcool;
  • Tanques de armazenamento de combustíveis;
  • Áreas de abastecimento de aviões em aeroportos;
  • Navios petroleiros;
  • Tanques de combustíveis em aviões;
  • Estações de carregamento de caminhões para transporte de produtos químicos inflamáveis ou gases liquefeitos;
  • Postos de abastecimento de gasolina, álcool, diesel e Gás Natural Veicular (GNV).

Ao se instalar equipamentos ou sistemas elétricos, de instrumentação, de automação, de telecomunicações ou mecânicos em uma planta de processamento de petróleo ou petroquímico ou em um local onde possam estar presentes produtos inflamáveis ou combustíveis, as medidas de proteção tomadas, os tipos de proteção dos equipamentos “Ex” e os níveis de proteção dos equipamentos “Ex” (EPL) e proporcionados dependem do risco potencial envolvido.

Os estudos de classificação de áreas têm por finalidade básica mapear e determinar as extensões e a abrangência das áreas que podem conter misturas explosivas e, consequentemente, permitir a posterior especificação adequada de equipamentos e sistemas “Ex” para cada tipo de área classificada mapeada por estes estudos.

Os estudos de classificação de áreas são também um método de análise e classificação dos ambientes onde possam ocorrer atmosferas explosivas, de modo a possibilitar a adequada seleção e instalação de equipamentos “Ex” a serem utilizados com segurança em tais ambientes, levando em conta os grupos de gases ou poeiras, bem como as respectivas classes de temperatura.

Tendo como base os estudos de classificação de áreas, deve ser assegurado que a especificação e a instalação dos equipamentos “Ex” atendam aos requisitos de risco da área, de acordo com os requisitos das respectivas normas técnicas brasileiras aplicáveis das séries ABNT NBR IEC 60079 – Atmosferas explosivas e ABNT NBR IEC 61892 – Instalações elétricas marítimas.

Para a elaboração da documentação de classificação de áreas é necessário coletar uma série de dados e informações sobre o processo envolvido e os respectivos equipamentos de processo existentes ou a serem instalados. Dentre tais dados de processo podem ser citados: substâncias inflamáveis ou combustíveis processadas, pressão, vazão, temperatura, ponto de fulgor, limite inferior de explosividade (LIE), temperatura de autoignição e grau de ventilação das instalações.

Uma planta de classificação de áreas contendo gases inflamáveis indica as extensões ao redor dos equipamentos de processo que são consideradas áreas classificadas. São indicadas também nestas plantas de classificação de áreas informações sobre os tipos de Zonas (0, 1, 2), Grupos (IIA, IIB, IIC), bem como a classe de temperatura dos gases inflamáveis (T1 a T6).


Figura 1 – Classificação de zonas.

São também muitas vezes indicados nesta documentação de classificação de áreas os níveis de proteção dos equipamentos (EPL – Equipment Protection Level) elétricos ou mecânicos “Ex” a serem instalados, com base nas avaliações de risco que forem efetuadas, de forma a orientar as pessoas de projeto envolvidas com as atividades de especificação e de seleção dos equipamentos “Ex”.

A documentação de classificação de áreas constitui a base para a especificação técnica dos equipamentos “Ex” a serem instalados nas áreas classificadas, tanto em casos de projetos novos, como nos casos de atividades de manutenção ou reparos, possibilitando a especificação do EPL requerido para cada equipamento “Ex”, dependendo do local da instalação (Ga, Gb, Gc), bem como do tipo de proteção a ser utilizado (tais como Ex “i”, Ex “e”, Ex “p”, Ex “op” e Ex “m”).

A documentação de classificação de áreas é também frequentemente consultada para as atividades rotineiras de emissão de permissões de trabalho, onde é verificado o tipo de classificação de áreas do local da realização dos trabalhos, sendo determinados os requisitos de segurança aplicáveis.

Esta documentação de classificação de áreas é também utilizada durante as atividades de inspeções periódicas nas instalações “Ex”, uma vez que é necessário verificar se os equipamentos elétricos e mecânicos “Ex” que se encontram instalados estão de acordo com os requisitos de Zona, Grupo, Classe de Temperatura e EPL dos respectivos locais de instalação, os quais são indicados nesta documentação.

Na próxima edição, continuaremos a falar sobre este os requisitos para a classificação de áreas contendo gases inflamáveis.

Comentários

Deixa uma mensagem

%d blogueiros gostam disto: