Mayday

maio, 2017

Aparentemente, em tradução direta poderia parecer alguma coisa como “um dia de maio”, contudo, o termo tem origem no francês “venha me ajudar”, sendo aplicado em situações de emergências aéreas e navais. Por aqui, tivemos o “privilégio” de juntar as duas definições e, naquela quarta-feira de maio, quando, para desespero dobrado dos amigos flamenguistas, o time se despedia inesperadamente da Libertadores em derrota para o time do papa, surgiam, os (já) esperados indícios da sacanagem que aquela dupla de empresários (que cabelo tem o cara de nome esquisito!!!) teria aplicado em conjunto com centenas ou milhares de políticos.

Talvez a surpresa fosse a forma como a coisa veio à tona: por eles próprios, os autores em um espetacular ato de trairagem. Em mais uma delação premiada, protagonizaram em uma oportunista relação de custo-benefício. Segundo especialistas do mercado, a dupla sairá com algum dinheiro no bolso em função do tsunami causado no mercado financeiro por eles próprios, em um golpe de mestre.

A população atônita tentava entender até onde estaria o grau de subserviência daqueles que escolhemos (ou escolheram) para nos governar. Pior. A “outra parte”, que perdeu a eleição, mostra também o seu lado bandido. Aquele que poderia estar sentado na cadeira do planalto teria usado o mesmo expediente dos que ultimamente o fizeram, e o atual ocupante da cadeira teria perdido a oportunidade de limpá-la em se confirmando o que o bandido milionário (o do cabelo) estaria dizendo, dando nome aos bois (ops!). Uma pena a vaca ir pro brejo desta forma.

Os valores informados pela dupla dão conta de propinas (e haja inspiração para justificar os atos ilícitos) que facilmente superarão o bilhão de reais. Dependendo do apetite dos políticos, pode-se estimar qual foi o prejuízo de nossos cofres para esta quadrilha. Ai está o golpe de mestre, além dos empréstimos do BNDES de pai para fliho que receberam durante pelo menos uma década, deixaram de pagar impostos e obrigações devidas pelos benefícios que foram plantados por aqueles que receberam as propinas. Qual seria este número? Dez, talvez 15 bilhões de reais em conta conservadora. Pior. Os caras já estão fora do país onde estão agora os seus negócios construídos da forma desprezível com a ajuda de homens mais desprezíveis ainda.

Algumas questões:

*A conta da forma como os números estão expostos fecha? Não acho.

*Por que a outra empresa investigada tem seus diretores presos, e mesmo os ladrões da Petrobras devolveram boas quantias, enquanto esta dupla é multada em valores ínfimos em relação ao montante estimado e saem do país tranquilamente? A justiça de Curitiba não é a mesma de Brasília?

*Quem são os tais dos juízes citados pelo cara do cabelo?

*Será que os “companheiros” e as damas de vermelho acham que agora estão livres da roubalheira que praticaram?

Mayday! Estamos em vôo cego, com tripulação dopada. Sobreviveremos? Conseguiremos nos livras dos silvas, batistas, cunhas, sarneys, renans, collors, dirceus, cabrais e outros tantos que nos enojam? E que nos roubam?

Depende de nós!

Comentários

Deixe uma mensagem