Instalações com arranjos fotovoltaicos e conceitos de correntes, isolamentos e outras partes

ago, 2016

Continuamos neste mês apresentando a parte já estabelecida pelo Grupo de Trabalho específico da CE 03:064.001 que diz respeito à norma complementar da ABNT NBR 5410, tratando de detalhes das instalações elétricas fotovoltaicas. Assim, relatamos a seguir a quarta parte dos conceitos mais importantes do projeto de norma em desenvolvimento e que deve ser do conhecimento das pessoas que não têm a oportunidade de acompanhar os trabalhos deste importante grupo.

IMOD_MAX_OCPR[M1]

Valor máximo da proteção contra sobrecorrente do módulo fotovoltaico determinado pela IEC 61730-2.

Nota:   esse valor é normalmente especificado pelos fabricantes de módulos fotovoltaicos como o valor máximo do fusível em série (em inglês, maximum series fuse rating).x’

In

Valor nominal de corrente de [M2] um dispositivo de proteção contra sobrecorrente.

ISC MOD

Corrente de curto-circuito de um módulo fotovoltaico ou de uma série fotovoltaica nas STC.

Nota: como séries fotovoltaicas são um grupo de módulos fotovoltaicos ligados em série, a corrente de curto-circuito de uma série fotovoltaica é igual à do módulo fotovoltaico.

ISC ARRAY

Corrente de curto-circuito do arranjo fotovoltaico nas STC, e é igual a:

ISC ARRAY = ISC MOD x SA

Em que SA é o número total de séries fotovoltaicas conectadas em paralelo no arranjo fotovoltaico.

ISC S-ARRAY

Corrente de curto-circuito de um subarranjo fotovoltaico nas STC e é igual a:

ISC S-ARRAY = ISC MOD x SSA

Em que SSA é o número total de séries fotovoltaicas conectadas em paralelo no subarranjo fotovoltaico.

 

Irradiância solar – G (Unidade: W/m2)

Taxa na qual a radiação solar incide em uma superfície, por unidade de área desta superfície, normalmente medida em watts por metro quadrado (W/m2).

[Fonte: ABNT NBR 10899:2013]

 

Isolamento básico

Isolamento de partes vivas perigosas que fornece proteção básica [MA3] contra choques elétricos.

[Fonte: IEC 60050-195:1998, 195-06-06]

 

Isolamento duplo

Isolamento que compreende a isolação básica e a isolação suplementar.

[Fonte: IEC 60050-195:1998, 195-06-08]

 

Isolamento reforçado

Isolamento de partes perigosas vivas que proporciona um grau de proteção contra choque elétrico equivalente ao isolamento duplo.

Nota: isolamento reforçado pode compreender várias camadas que não podem ser testadas individualmente como isolamento básico ou isolamento suplementar.

[Fonte: IEC 60050-195: 1998,195-06-09]

 

Isolamento suplementar

Isolamento independente aplicado adicionalmente ao isolamento básico para proteção contra faltas no caso de falha do isolamento básico.

[Fonte: IEC 60050-195:1998, 195-06-07]

 

Micro-inversor

Inversor em que cada entrada c.c. está associada a um SPMP individual e que possui potência máxima de entrada de 350 Wp e tensão máxima c.c. não superior a EBT por entrada.

 

Módulo fotovoltaico

Unidade básica formada por um conjunto de células fotovoltaicas, interligadas eletricamente e encapsuladas, com o objetivo de gerar energia elétrica.

[Fonte: ABNT NBR 10899:2013]

 

Módulo fotovoltaico c.a.

Conjunto integrado módulo/inversor, cujos terminais de interface são unicamente em corrente alternada, sem qualquer acesso ao lado em corrente contínua.

[Fonte: ABNT NBR 10899:2013]

 

Operação manual independente de um dispositivo de comutação mecânica

Ação de chaveamento que utiliza energia armazenada (por exemplo, liberação de mola pré-carregada) que é liberada em uma operação contínua, de modo que a velocidade e a força da operação são independentes da ação do operador.

 

Parte condutora exógena

Parte condutora suscetível de introduzir um potencial elétrico, geralmente, potencial de terra e que não faz parte da instalação elétrica.

 

Partes simultaneamente acessíveis

Condutores, ou partes condutoras, que podem ser tocados ao mesmo tempo por uma pessoa ou pessoas.

Nota:   partes simultaneamente acessíveis podem ser: partes vivas, partes de condutores expostos, massas condutoras exógenas, condutores de proteção ou eletrodos de aterramento.

 

Parte viva

Condutor ou massa condutora destinada a ser energizada durante a operação normal do sistema, incluindo o condutor neutro, mas, por convenção, não um condutor PEM, PEN OU PEL [M2].

Nota: este conceito não implica necessariamente um risco de choque elétrico.

 

Pessoa qualificada

Pessoa com conhecimento técnico ou experiência tal que lhe permite evitar os perigos da eletricidade (engenheiros e técnicos).

 

Pessoa advertida

Pessoa suficientemente informada ou supervisionada por pessoa qualificada, de tal forma que lhe permite evitar os perigos da eletricidade (pessoal de manutenção e/ou operação).

 

Na próxima edição trataremos da continuidade destes conceitos principais e que complementarão a ABNT NBR 5410.

Comentários

Deixe uma mensagem