Avaliações e reconhecimentos em sustentabilidade

dez, 2013

Edição 94 – Novembro de 2013
Por Michel Epelbaum

Nesta coluna e na próxima, falaremos sobre avaliações e reconhecimentos em sustentabilidade.

Em novembro último foi publicado o Guia Exame de Sustentabilidade 2013, em sua 14ª edição, um dos mais reconhecidos no Brasil. Este guia é baseado em questionário (disponível no site http://www.exame2.com.br/servicos/sustentabilidade/) e em análise do desempenho de 184 empresas por conselho de especialistas, com metodologia elaborada pela Fundação Getulio Vargas, baseado em critérios divididos em quatro dimensões:

dimensão geral – 23 questões sobre comprometimento da empresa, estrutura de governança corporativa, código de conduta, inserção na política de remuneração variável, engajamento de partes interessadas e sua inserção no planejamento da empresa, transparência e relato de informações;

dimensão econômica – 16 questões sobre a inserção de temas no planejamento estratégico e controle financeiro, gestão de riscos socioambientais, gestão de crises e cobertura de seguros, gestão de ativos intangíveis, indicadores de desempenho, demonstrações financeiras, cumprimento legal;

dimensão social – 39 questões sobre relações de trabalho e direitos humanos, processo de ouvidoria, desenvolvimento profissional e remuneração justa, critérios sociais para seleção de fornecedores, critérios sociais para cliente (com respeito aos riscos do produto, respeito à privacidade e marketing ético, atendimento ao consumidor), investimento social privado, iniciativas junto à comunidade do entorno, impactos socioambientais à sociedade, participação em esforços comuns e políticas públicas, contribuições para campanhas políticas;

dimensão ambiental – 49 questões sobre política e estrutura de governança ambiental, inventário e metas para redução de emissões de gases de efeito estufa, ações para conservação da biodiversidade, atendimento aos requisitos legais sobre áreas de preservação permanente e de reserva legal, monitoramento e redução de consumo de recursos naturais e energia, avaliação de impactos ambientais, gestão e controles sobre impactos ambientais e ocupacionais, critérios ambientais para fornecedores, comunicação com as partes interessadas, comunicação de riscos ambientais e de segurança do trabalho, publicação de resultados e metas de desempenho ambiental e ocupacional, gestão de passivos ambientais, seguro ambiental, cumprimento da legislação e processos judiciais, certificações de sistema de gestão ambiental e de segurança/saúde do trabalho, gestão de emissões e resíduos, gestão e minimização de impactos no pós-consumo.

Sete empresas do setor de energia fazem parte deste Guia. Adistribuidora Elektro foi considerada a mais sustentável por suas notas em 2013 e vem participando deste documento de 2005 a 2007, 2008 e 2011 a 2013. Dentre as geradoras, a melhor colocada em 2013 foi a AES Brasil, que participou do Guia em 2008, 2009, 2012 e 2013.

Também foram avaliadas as empresas em sete indicadores-chave, sendo que os resultados das sete empresas do setor de energia, em termos de percentual de cumprimento dos requisitos, foram:

governança da sustentabilidade – acima de 70%;

direitos humanos – 6 delas cumprindo acima de 70%;

relação com a comunidade – acima de 70%;

relação com os fornecedores – acima de 70%;

gestão de água – cinco delas acima de 70%, duas delas cumprindo de 40% a 70%;

gestão da biodiversidade – quatro delas acima de 70%,duas delas cumprindo de 40% a 70%, uma empresa abaixo de 40%;

gestão de resíduos – constituiu-se no pior resultado, com seis das empresas de 40 a 70%, uma com resultado abaixo de 40%.

Verificou-se que, em cinco das sete empresas de energia avaliadas, a dimensão ambiental foi a de menor desempenho, o que corrobora com o verificado acima para os indicadores ambientais de gestão de água, biodiversidade e resíduos.

O Guia 2013 constatou melhoria da gestão da sustentabilidade das empresas entrevistadas em relação a 2010, destacando-se:

– 56% expressam o compromisso de sustentabilidade em um documento público (52% em 2010);

– 35% tem comitê de sustentabilidade e responsabilidade social que se reporta ao conselho de administração (23% em 2010);

– 84% usam critérios sociais para selecionar fornecedores (82,5% em 2010);

– 63% buscam reduzir a emissão de gases que causam o efeito estufa (54% em 2011).

E a sua empresa, como considera os temas e questões contidos neste Guia em sua gestão?

Comentários

Deixe uma mensagem