A utilização da lâmpada piloto

maio, 2012

Edição 75 / Abril de 2012
Por Jobson Modena

A instalação de sinalização aérea (lâmpada piloto, luz piloto, etc.) não é um item que consta da ABNT NBR 5419. Na realidade, a exigência para a existência de sinalização de obstáculo consta da portaria do Ministério da Aeronáutica, nº 1.141/GM5, de 8 de dezembro de 1987, e as prescrições para instalação estão no capítulo V deste documento. Ocorre que, por ser exigida em situações em que as estruturas geralmente possuem altura elevada – mesmo local onde são instalados os componentes de captação do SPDA – sistema de proteção contra descargas atmosféricas –, a confusão sobre as origens nas exigências dos itens normalizados acaba sendo inevitável.

Com base na portaria do Ministério da Aeronáutica mencionada, estas informações são divulgadas no intuito de informar os projetistas que necessitem conhecer os critérios básicos para o dimensionamento da sinalização. Informamos que a pesquisa que originou este texto é superficial, portanto, sugerimos a leitura criteriosa de todo o documento ao invés de utilizar apenas as informações contidas neste artigo de forma indiscriminada. É importante ressaltar que aqui são destacadas premissas básicas para situações específicas, todas as demais devem ser estudadas na própria portaria. Mais informações também podem ser obtidas por meio de consulta ao Comando Aéreo Regional (Comar), ao Departamento de Aviação Civil (DAC), aos Serviços Regionais (SERAC, SERENG e SRPV), órgãos do Ministério da Aeronáutica e a Prefeitura do município onde será feita a instalação.

A sinalização tem a finalidade de reduzir os perigos para as aeronaves, indicando a presença de obstáculos e, consequentemente, minimizando os riscos de acidentes. Na tabela 1 são mostrados os tipos de iluminação para cada tipo de aplicação na sinalização nas seguintes estruturas:

Tabela 1 – emprego da iluminação de sinalização para as aplicações apresentadas

 

Aplicação

Classe de luz

Cor

Intensidade luminosa

candela (cd)

– Obstáculos não extensos
– Altura menor ou igual a 45 m
– Em combinação com outras de média intensidade

Luz fixa para objetos fixos

Baixa intensidade – Fixa

Vermelha

> 10

Obstáculos móveis

Baixa intensidade – Piscante: 60 a 90 pulsos por minuto

Amarela ou vermelha

> 10

– Obstáculos extensos
– Altura maior que 45 m e menor que 150 m.
– Em combinação com outras intensidades (baixa ou alta).

Geral

Média intensidade – Piscante: 20 a 60 pulsos por minuto

Vermelha

>1600

Quando utilizado em conjunto com luz de alta intensidade.

Branca

>1600

– Altura maior que 150m
– Torres elevadas de linha transmissão (podem reduzir em 50% – consultar a portaria 1141)

Diurno

Alta intensidade – Piscante: 40 a 60 pulsos por minuto

Branca

200000 (+/- 25%)

Noturno

4000 (+/- 25%)

Acredita-se que as informações acima sejam úteis para a comunidade técnica principalmente para desmitificar o conceito de que tal assunto deveria constar da norma de proteção contra descargas atmosféricas.

Comentários

Deixa uma mensagem

%d blogueiros gostam disto: